"Superpai" retoma figura do pai-herói

E que tal um programinha paracelebrar o Dia dos Pais no cinema, com toda a família?Superpai começa de um jeito que parece que vai seguir umatendência forte do cinema americano atual, que investe nosheróis apalermados. Tim Allen segue o modelito tradicional dosdebi&lóides. É o que se pode chamar um fracasso. A ex-mulher oespezinha, ele deixou de ser promovido na firma, mas como o poçosempre consegue ser mais fundo Joe Scheffer - nome do personagem- ainda vai sofrer a pior experiência de todas. Noestacionamento da firma, ele apanha de um brutamontes, sendohumilhado diante da filha e dos colegas. Com a auto-estima no ponto mais baixo que você possaimaginar - é bom descer ainda mais um pouco -, Scheffer resolveencarar o valentão e o desafia para um acerto de contas. Viraídolo na empresa. De repente, todo mundo começa a descobriraquele sujeitinho insignificante, que ganha seus 15 minutos defama. Scheffer passa a sentir-se um rei. Arrisca-se até aconquistar uma linda mulher. Mas o problema principal permanece:a luta está próxima, dentro de duas semanas. Scheffer faz umaprendizado rápido de artes marciais com um especialistadecadente, que já foi astro de Hollywood e é interpretado porJim Belushi. É aí que Superpai segue a trilha da saga doKarate Kid, com o pai idiota no papel de Ralph Macchio. Você pode tentar descartar Superpai com argumentosdo tipo: é uma comediazinha, puro cinemão, sentimental e atéprevisível. Pois bem: não é. Dentro da sua previsibilidade,Superpai - cujo título original é mais sugestivo: JoeSomebody, João Ninguém - reserva algumas surpresas. A maiordelas é a forma como o diretor John Pasquin e o roteirista JohnScott Shepherd subvertem a linha narrativa básica das aventurasdo Karate Kid. Nos filmes de John G. Avildsen, Mr. Myiagi fica falandoo tempo todo do caratê como instrumento de paz, mas o espectadormal consegue esperar a hora em que Daniel vai aplicar umcorretivo em seus desafetos, usando tudo o que aprendeu com omestre das artes marciais. Natural: a sociedade americanafunciona assim. Só sabe resolver seus conflitos por meio daviolência. Pasquin pensa diferente e isso é melhor para nós, opúblico.Superpai(Joe Somebody) ?Comédia. Dir. John Pasquin.EUA/2001. Dur. 99 min. Com Tim Allen, Julie Bowen, Kelly Lynch,James Belushi. Livre

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.