Steven Spielberg 'pode fazer novos filmes de Indiana Jones'

'Só farei outro se vocês quiserem. Foi por isso que fizemos este', diz o diretor na exibição do longa em Cannes

BBC Brasil,

08 de maio de 2019 | 13h00

O diretor de cinema Steven Spielberg disse que pode vir a fazer outro filme da série Indiana Jones se os fãs gostarem do esperado Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, que teve sua première no domingo, 19, no Festival de Cannes.  Veja também:Acompanhe a cobertura no blog do Merten   Teste seus conhecimentos sobre o Festival de Cannes Trailer no YouTube de 'Reino da Caveira de Cristal' (em inglês) Atriz italiana Monica Bellucci provoca furor em CannesHarrison Ford diz que vai ignorar as críticas de 'Indiana Jones' "Só (farei outro filme) se vocês quiserem. Foi por isso que fizemos este Indiana Jones. Certamente, vamos estar atentos para ver o que acontece. Tomaremos a decisão a partir daí", disse Spielberg.  O filme é o primeiro da série em 19 anos e dividiu a crítica no festival. "Eu estou preparado para receber as chicotadas. Não é incomum que algo popular seja desprezado por algumas pessoas", disse o astro do filme Harrison Ford.  "Isso não me preocupa. Eu trabalho para as pessoas que pagam para entrar (no cinema), eles são os meus clientes", afirmou Ford. O ator fez sua estréia no papel do aventureiro Indiana Jones em 1981, em Os Caçadores da Arca Perdida.  "Eu estou muito feliz com a oportunidade de lançar um filme agora, porque por duas gerações, as pessoas vêm assistindo a isso em DVD, em casa. Agora, podemos vê-lo no cinema, como é para ser", disse o astro.  O Reino da Caveira de Cristal começa em 1957, no ápice da Guerra Fria, e o herói está procurando por uma caveira de ouro, roubada de uma cidade perdida guardada por mortos-vivos.  Spielberg tentou emprestar ao filme algumas características de filmes B antigos, em vez de computação gráfica, para manter o clima da trilogia inicial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.