LucasFilm
LucasFilm

'Star Wars é a coroação à minha carreira', diz Benicio del Toro

Ator porto-riquenho dá vida a DJ, um mercenário intergalático especialista em decifrar códigos

Jorge Peris, EFE

13 Dezembro 2017 | 11h25

O porto-riquenho Benicio del Toro, uma das novas caras de Star Wars: Os Últimos Jedi, reconheceu em entrevista à Agência Efe em Londres que participar da célebre saga intergalática é a "coroação" de sua carreira.

Del Toro (São Germán, Porto Rico, 1967) foi incorporado ao mundo fantástico de Star Wars em sua penúltima entrega e, apesar da magnitude da saga, o ator disse que este foi "um trabalho a mais", já que sua atitude "não muda, seja em um filme com muito orçamento ou um independente ".

"É a coroação à minha carreira. Recebi um convite para participar de algo muito interessante, algo espetacular, e é uma verdadeira honra", manifestou Del Toro, que dá vida a DJ, um dos mais interessantes recém-chegados ao filme.

O ator atendeu a Agência Efe em um cêntrico hotel da capital britânica, às margens do rio Tâmisa.

** 'Um Jedi não desiste', garante Mark Hamill, astro de 'Star Wars'

Depois de dois anos de espera - Star Wars: O Despertar da Força estreou em 2015 -, a saga que George Lucas iniciou há 40 anos volta com sua oitava e esperada penúltima entrega, desta vez dirigida por Rian Johnson (A Ponta de um Crime e Looper: Assassinos do Futuro).

Del Toro, cujo personagem esteve rodeado de rumores e sigilo, dá vida a DJ, um mercenário intergalático especialista em decifrar códigos graças às suas habilidades de hacker.

"O diretor me chamou e me ofereceu o papel. É certo que no início vi como algo atrevido... Ofereceu estar em Star Wars, algo que pode oferecer a centenas de atores! Foi original ele me querer", relatou o porto-riquenho.

** Princesa Leia lidera resistência em último filme de Carrie Fisher na saga 'Star Wars'

"Combinamos que eu leria o roteiro e daria uma resposta. Ele chegou como uma pessoa normal que me entregou em mãos um roteiro e ficou esperando fora da minha casa eu terminar de ler. E eu leio devagar...", disse com um visível sorriso.

"Ele ficou cerca de quatro ou cinco horas esperando. Gostei de tudo, não só do meu personagem, portanto disse que sim imediatamente", comentou.

O ganhador de um Óscar, um Globo de Ouro e um Bafta pelo seu papel de Javier Rodríguez em Traffic (2000) confessou que, embora tenha estado em produções grandes como James Bond (007 - Permissão para Matar) e da Marvel (Guardiões da Galáxia), nunca esteve em nada "tão grande como Star Wars".

"Estive em um filme de James Bond, que também é uma saga muito importante, e em uma da Marvel, mas esta é a maior. Estamos falando de Star Wars, história do cinema, algo que tem mais de 30 anos", afirmou.

A segunda entrega desta terceira trilogia, com muita mais ação e comédia que Star Wars: O Despertar da Força, estreia nesta quinta-feira, 14.

"Sou ser humano e posso entender que alguns personagens não agradam todo mundo. Se não funcionar...é preciso seguir adiante. Mas tomara que gostem", concluiu Del Toro.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.