LucasFilm
LucasFilm

'Star Wars é a coroação à minha carreira', diz Benicio del Toro

Ator porto-riquenho dá vida a DJ, um mercenário intergalático especialista em decifrar códigos

Jorge Peris, EFE

13 Dezembro 2017 | 11h25

O porto-riquenho Benicio del Toro, uma das novas caras de Star Wars: Os Últimos Jedi, reconheceu em entrevista à Agência Efe em Londres que participar da célebre saga intergalática é a "coroação" de sua carreira.

Del Toro (São Germán, Porto Rico, 1967) foi incorporado ao mundo fantástico de Star Wars em sua penúltima entrega e, apesar da magnitude da saga, o ator disse que este foi "um trabalho a mais", já que sua atitude "não muda, seja em um filme com muito orçamento ou um independente ".

"É a coroação à minha carreira. Recebi um convite para participar de algo muito interessante, algo espetacular, e é uma verdadeira honra", manifestou Del Toro, que dá vida a DJ, um dos mais interessantes recém-chegados ao filme.

O ator atendeu a Agência Efe em um cêntrico hotel da capital britânica, às margens do rio Tâmisa.

** 'Um Jedi não desiste', garante Mark Hamill, astro de 'Star Wars'

Depois de dois anos de espera - Star Wars: O Despertar da Força estreou em 2015 -, a saga que George Lucas iniciou há 40 anos volta com sua oitava e esperada penúltima entrega, desta vez dirigida por Rian Johnson (A Ponta de um Crime e Looper: Assassinos do Futuro).

Del Toro, cujo personagem esteve rodeado de rumores e sigilo, dá vida a DJ, um mercenário intergalático especialista em decifrar códigos graças às suas habilidades de hacker.

"O diretor me chamou e me ofereceu o papel. É certo que no início vi como algo atrevido... Ofereceu estar em Star Wars, algo que pode oferecer a centenas de atores! Foi original ele me querer", relatou o porto-riquenho.

** Princesa Leia lidera resistência em último filme de Carrie Fisher na saga 'Star Wars'

"Combinamos que eu leria o roteiro e daria uma resposta. Ele chegou como uma pessoa normal que me entregou em mãos um roteiro e ficou esperando fora da minha casa eu terminar de ler. E eu leio devagar...", disse com um visível sorriso.

"Ele ficou cerca de quatro ou cinco horas esperando. Gostei de tudo, não só do meu personagem, portanto disse que sim imediatamente", comentou.

O ganhador de um Óscar, um Globo de Ouro e um Bafta pelo seu papel de Javier Rodríguez em Traffic (2000) confessou que, embora tenha estado em produções grandes como James Bond (007 - Permissão para Matar) e da Marvel (Guardiões da Galáxia), nunca esteve em nada "tão grande como Star Wars".

"Estive em um filme de James Bond, que também é uma saga muito importante, e em uma da Marvel, mas esta é a maior. Estamos falando de Star Wars, história do cinema, algo que tem mais de 30 anos", afirmou.

A segunda entrega desta terceira trilogia, com muita mais ação e comédia que Star Wars: O Despertar da Força, estreia nesta quinta-feira, 14.

"Sou ser humano e posso entender que alguns personagens não agradam todo mundo. Se não funcionar...é preciso seguir adiante. Mas tomara que gostem", concluiu Del Toro.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.