Stallone admite ter tomado testosterona para fazer 'Rambo 4'

Ele dirigiu, escreveu e protagonizou o quarto filme da série, que chega aos cinemas 20 anos depois do terceiro

Associated Press e Efe,

08 de janeiro de 2025 | 19h32

Sylvester Stallone admitiu que usou hormônios masculinos para estrelar Rambo 4, cuja pré-estréia aconteceu nesta sexta-feira, 25, no hotel e cassino Planet Hollywood, em Las Vegas. "Hormônio masculino não é nada", afirmou o ator, de 61 anos. O governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, à pré-estréia do filme, que é dirigido, escrito e protagonizado por Stallone e chega nesta sexta às salas de cinema dos Estados Unidos, 20 anos depois do último filme da série.    "Quem acha hormônio masculino é um esteróide é mal informado", declarou o diretor e ator à revista Time. "Para mim a testosterona é importante para envelhecer bem", afirmou o ator, dizendo que "qualquer um com mais de 40 anos deveria procurá-la para melhorar sua qualidade de vida."   Rambo 4 se passa na Birmânia, lugar devastado por um conflito interno que já dura mais de cinco décadas. O personagem de Stallone tem a missão de resgatar um grupo de missionários capturados pelo exército local. O filme foi classificado pelos críticos dos EUA como muito violento.   O retorno de Rambo não deve abalar apenas as bilheterias, mas também as eleições presidenciais dos Estados Unidos. Stallone, agora com 61 anos, comentou recentemente no programa de televisão FOX & Friends, que John McCain é o seu pré-candidato favorito para ser o próximo presidente dos EUA.   Depois de escutar as declarações, McCain respondeu: "Vou à Filadélfia subir as escadas", em alusão a uma célebre cena de Rocky, na qual Stallone sobe correndo as escadas que levam ao Museu de Arte da cidade.   Em 2006, Stallone interpretou novamente o protagonista de Rocky, outra série do cinema a qual o ator deve grande parte de seu sucesso.

Tudo o que sabemos sobre:
Rambo 4

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.