Div
Div

'Sr. Kaplan' é comédia feita para provocar o riso inteligente

Filme estreia nesta semana nas salas brasileiras

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

27 de fevereiro de 2015 | 03h00

No tom minimalista típico do cinema uruguaio, Sr. Kaplan - que estreia nesta semana nas salas brasileiras - é uma comédia com humor suave e cheia de repercussões de outra ordem. Em sua trama aparentemente simples, fala de coisas sérias como o vazio que pode acometer as pessoas de terceira idade, os preconceitos embutidos na sociedade, etc. É um belo filme, este dirigido por Álvaro Brechner a partir do romance El Salmo de Kaplan, de Marco Schwartz. Como se vê pelos sobrenomes envolvidos, temos aqui um típico exercício de humor judaico, autocrítico, agudo, inteligente e que pede alguma coisa ao interlocutor para se realizar plenamente. 

Jacobo Kaplan (Hector Noguera) é um senhor de 76 anos, entediado com a velhice. Mais aborrecido ainda fica quando o médico comunica à família que já não pode dirigir seu automóvel. Ele não sabe ainda, mas está tirando sua sorte grande, pois a família contrata um amigo da família, o ex-policial Wilson Contreras (Néstor Guzzini) para dirigir o carro. E levar o Sr. Kaplan para os passeios que quiser. 

Muito da graça do filme se baseia na clássica formação da dupla assimétrica. Kaplan é magro, rígido e teimoso. Contreras, gordinho, malandro e beberrão. Ambos estão insatisfeitos. Kaplan com a aposentadoria, Contreras porque ficou desempregado e a mulher o deixou, junto com os filhos. Ambos se metem numa aventura improvável, como se fossem a dupla O Gordo e o Magro. Ou, melhor, Dom Quixote e Sancho Pança, provável inspiração da história. 

Quais são os moinhos de vento de Kaplan? Resumem-se a um suposto ex-oficial nazista, que vive incógnito numa praia distante e deve ser preso e deportado para Israel, assim como foi feito com Eichmann. Kaplan acha que desse modo cumpriria a missão de sua vida. 

Medo da morte, desejo de deixar a marca no mundo, relação entre gerações diferentes, obsessões históricas – tudo isso passa pela trama simples e aventureira de Sr. Kaplan. Uma comédia da qual se ri com o canto da boca, um pequeno brinde à inteligência do espectador. 

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaUruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.