Spike Lee vê progresso no retrato do negro no cinema

O cineasta Spike Lee disse em palestra a estudantes universitários americanos que a forma pela qual o cinema retrata o cidadão negro teve progressos desde sua estréia como diretor em 1986, mas que ainda há muito a ser feito. "O cinema negro ainda está em um gueto", afirmou o diretor de A Última Noite e Faça a Coisa Certa a uma platéia de 1.700 estudantes da Universidade da Carolina do Norte. "Há comédias e coisas sobre hip-hop e drogas. É difícil para um diretor ou ator sair disso", disse Lee. O diretor enumerou uma série de filmes recentes em que há personagens negros, dizendo que neles a representação ainda é cerca de preconceitos, que se revelam numa figuração mágica e misteriosa do cidadão negro. Para ele, às vezes os personagens negros "têm poderes mágicos que não servem para mudar sua condição. Do que adianta?", perguntou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.