Tobias Achwarz/AFP
Tobias Achwarz/AFP

'Sou um cara normal que gosta do que faz', diz Keanu Reeves

Em entrevista, ator faz balanço da sua carreira e fala sobre o filme 'De Volta ao Jogo 2'

EFE

06 de fevereiro de 2017 | 20h31

LOS ANGELES - Keanu Reeves é o ator com o maior faturamento da história por um único filme - ganhou US$ 126 milhões por Matrix Reloaded -, mas em Hollywood é conhecido por sua simpatia e humildade, como confirma em entrevista com a Agência EFE: "Sou um cara normal que gosta do que faz".

Reeves não aparenta os 52 anos que tem. De fato, parece que finalmente fez aquele pacto que Al Pacino lhe ofereceu no filme Advogado do Diabo, de Taylor Hackford.

Atencioso e educado - oferece um copo de água antes de começar a conversa e pergunta se o ar condicionado está forte demais -, se mostra jovial, atento e envolvido na conversa; sempre muito prudente em suas respostas, e temeroso de romper essa aura zen que transmite.

"Acredito que é preciso lutar para não dar muita importância a si mesmo. Tenho os pés no chão. Sou um cara normal que gosta do que faz. Minha carreira me deu oportunidades magníficas, mas meu dia a dia é bastante normal. Posso sair na rua como qualquer um", manifestou o homem cujos filmes arrecadaram mais de US$ 3 bilhões no mundo todo.

Sua carreira sempre estará ligada a Neo e à saga Matrix, que tem coisas em comum com sua nova aposta: De Volta ao Jogo 2, dirigido por Chad Stahelski e coprotagonizado por Laurence Fishburne.

"Chad viveu todo o processo daquelas filmagens com as irmãs Wachowski; aprendeu todas as reviravoltas e absorveu muitas ideias sobre movimentos de câmera e o que deve ter um roteiro para que a história funcione", contou Reeves, que retomou os treinamentos de kung-fu para voltar a interpretar o assassino John Wick.

"Ser parte de 'Matrix' durante tanto tempo influiu em nossas vidas e em quem somos. E isso é apreciado nestes filmes", acrescentou.

Em De Volta ao Jogo 2, o lendário John Wick retorna de sua aposentadoria devido à ameaça de um de seus antigos parceiros, que planeja tomar o controle de um grupo de assassinos e que coloca a cabeça do protagonista à preço, que é procurado por um exército de criminosos.

"Com a primeira parte criamos algo realmente atrativo e as pessoas me pediam constantemente uma continuação", admitiu o ator, orgulhoso da violência estilizada do filme, repleto de tomadas longas muito coreografadas, quase sem cortes e com cenas de luta impactantes.

Reeves, que cita John Wick como um dos personagens dos quais mais se orgulha em sua carreira, não se incomoda com as semelhanças que muitos veem com Liam Neeson e sua surpreendente destreza como figura de ação madura em filmes como "Busca Implacável".

"Ser considerado um 'cara durão' de Hollywood é uma honra", reconheceu o ator.

Ao contrário que seu personagem, Reeves aproveita as pequenas coisas da vida: "Minha ideia da felicidade é uma boa comida, um bom vinho e andar de moto pela Sunset Boulevard".

Nascido em Beirute e criado no Canadá, aos 20 anos pegou seu primeiro carro - um Volvo 122 de 1969 - e dirigiu de Toronto até Los Angeles em busca de uma oportunidade como ator. Era a época na qual sonhava ser uma estrela Hollywood e ganhar um Oscar.

"Naquela época, aquilo significava algo para mim. Hoje não é uma obsessão", declarou, consciente de que suas atuações não despertaram clamor entre a crítica.

Suas vitórias são outras. E o público está com ele. "Isso é fundamental. Minha intenção sempre foi me conectar com o espectador", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.