Sophia Loren fala sobre beleza e novos projetos

Às vésperas de completar 72 anos, a atriz italiana Sophia Loren continua "una bella donna", como diriam com propriedade seus compatriotas. Insuportavelmente bela. Basta vê-la de perto para comprovar a tese. E La Loren, que tem espelho em casa, segue usando a beleza a seu favor. Na última semana, causou furor a notícia de que ela posaria para o Calendário Pirelli 2007, publicação famosa por trazer beldades do mundo artístico e da moda em fotos sensuais.A informação, divulgada pela revista italiana Gente, logo foi confirmada pela atriz. Junto da confirmação, veio o diz-que-diz-que. Primeiro de que Sophia havia topado fazer um nu artístico, "vestindo" apenas um par de brincos de diamantes. Depois, seu agente, sem muita paciência para a boataria, desmentiu a história do nu e jurou de pé junto que sua cliente seria clicada com um magnífico vestido de noite, do amigo Giorgio Armani. No final, o que correu pelos quatro cantos foi uma foto de bastidor em que ela aparece na cama, de combinação preta e coberta por um lençol.Sophia, que já havia sido sondada pela revista Playboy não faz muito tempo e declinado do convite, diz, para quem quiser ouvir, que está feliz com a experiência para o calendário. Poucos dias antes de o fato vir à tona, no entanto, a atriz estava em Veneza, na Itália, e não deu nenhuma pista da nova empreitada. Estava lá a convite da poderosa família italiana Aponte, dona de uma frota de navios e da qual a atriz é amiga pessoal há anos. Mais uma vez, ela seria madrinha de um dos navios do clã.A bordo do navio, ela conversou com uma imprensa internacional ávida por trocar nem que fosse meia dúzia de palavras. A certa altura, parecia cansada com a maratona de entrevistas que teve de enfrentar, mas isso não foi o suficiente para tirar seu bom humor.Elegantíssima, de roupa clara e seus inseparáveis óculos, estava longe da imagem da mulher do povo que eternizou no cinema italiano, em filmes como Um Dia Muito Especial, de Ettore Scola, e Duas Mulheres, de Vittorio De Sica (que lhe rendeu um Oscar). Não poderia ficar de fora aquela pergunta básica: o que você faz para se manter assim, tão bonita? "É segredo (risos)", criou suspense La Loren, para logo em seguida aceitar revelar uma coisa ou outra aos mortais."Realmente, não tenho uma fórmula: levo uma vida normal, gosto do que faço, acredito muito no que faço, tenho uma família maravilhosa." Para ela, passar um dia com a família, filhos e netos a revigora. "Meu dia perfeito é passar o dia com eles." Há de se ter outros cuidados especiais, ensinou a musa de De Sica, Scola e Altman, entre tantos outros cineastas. "É um grande sacrifício... (risos) .Às vezes, você precisa renunciar a coisas que você gosta de comer e beber. Não comer doces, pasta. Faço exercícios, nada exagerado porque não preciso mais tanto assim." Prefere a boa e velha caminhada à nova febre entre as estrelas: a ioga. "Gosto de me exercitar, de caminhar."Novos projetos Em nenhum momento, Sophia colocou no pacotão a cirurgia plástica. Provavelmente, preferiu deixar esse seu segredo em suspenso. Mas afirmou considerar ruim quem se submete ao bisturi de um cirurgião muito jovem. "Para se ter uma vida feliz, não basta um médico mudar seu rosto. Isso não vai fazer sua vida melhor." Fala de experiência própria. Quando ainda era uma jovem atriz, ouviu do produtor Carlo Ponti (que a descobriu e, mais tarde, se tornou seu marido e pai de seus filhos), que deveria diminuir o nariz e os quadris para sua figura ficar melhor diante das câmeras.Contrariando as recomendações, a atriz não mexeu em nenhum milímetro de seu corpo. Pelo menos, não naquela época. E alimentou a estampa de mulher italiana, bronzeada e de formas fartas. Até hoje, ela faz questão de exibir o que Deus lhe deu em decotes generosos. Questões da atualidade.Ela, que é uma diva notória, consegue identificar no cinema de hoje alguma candidata ao posto?, indagou a reportagem. "Se há divas hoje? Não tenho idéia." Mas você se considera uma diva, não? "Não, sou uma pessoa normal. Não me considero uma diva, para mim diva não significa nada", retrucou, modesta. Digamos que a resposta não convenceu muito quem estava no recinto.Ainda no campo das atualidades, ela disse estar com dois projetos engatados para estrear na "próxima primavera". Não adiantou detalhes sobre eles, mas garantiu que serão produções italianas. "Não sei se serão para o cinema ou para a TV, mas vou fazer." Seus mais recentes trabalhos foram Vendredi et Robinson (2005), para o cinema, e Peperoni, Ripieni e Pesci in Faccia (2004), para TV - este último, sob direção da italiana Lina Wertmüller. Aliás, era com a amiga Lina que Sophia tinha planos de estrelar, anos atrás, a adaptação para o cinema de Tieta do Agreste, de Jorge Amado. O projeto ficou na vontade e o cineasta Cacá Diegues acabou filmando sua versão.La Loren disse não conhecer nada de cinema brasileiro. Nem lhe veio à memória que foi ela a portadora da má notícia para os brasileiros, naquele Oscar de 1999. Anunciou, com entusiasmo, a vitória de A Vida É Bela, do também italiano Roberto Benigni, na categoria melhor filme estrangeiro, desbancando Central do Brasil, de Walter Salles. "Eu adoro o Brasil, a música brasileira", elogiou ela, apesar de ter vindo poucas vezes para essas bandas, em rápidas passagens. "Gosto de João Gilberto. Sempre fico feliz quando ouço música brasileira."A repórter viajou a convite da MSC Cruzeiros

Agencia Estado,

10 de julho de 2006 | 23h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.