'Sonhos Roubados' dá voz a meninas de comunidade no Rio

Sandra Werneck foca adolescente, mãe solteira e estudante, que se prostitui quando precisa de dinheiro

REUTERS

22 de abril de 2010 | 14h46

    SÃO PAULO - Em "Sonhos Roubados", Sandra Werneck ("Cazuza - O Tempo não Para"), de certa forma, retoma o tema de seu filme anterior, o documentário "Meninas" (2006), que acompanhava um grupo de adolescentes grávidas moradoras de comunidades cariocas.

 

Em seu novo trabalho, a diretora questiona, agora na ficção, o que acontece com essas garotas e seus bebês. O filme estreia em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, São Bernardo do Campo, Santo André e Guarulhos.

O personagem central do longa é Jessica (Nanda Costa, da novela "Viver a Vida"), adolescente, mãe solteira (o pai da criança ajuda um pouco, mas a mãe dele atrapalha) e órfã que vive com o avô (Nelson Xavier, de "Chico Xavier"). Ela frequenta uma escola pública mas nem pensa em terminar o colegial. Quando precisa de um dinheiro extra, se prostitui.

Para aumentar essa renda - que nem sempre é usada no sustento da filha - a personagem finge ser mulher de um presidiário (o rapper MV Bill, estreando como ator) e lhe faz visitas íntimas no presídio.

Essa estranha relação, no entanto, parece caminhar para algo mais sério. Ele tem os pés no chão, ao contrário da garota, e até quer um relacionamento estável, um casamento mesmo. Mas Jessica tem dúvidas.

Jessica tem duas grandes amigas Sabrina (Kika Farias) e Daiane (Amanda Diniz, de "O Sítio do Picapau Amarelo"), que também moram na mesma comunidade e enfrentam problemas.

Daiane acabou de completar 14 anos e é molestada pelo tio (Daniel Dantas) que a criou, embora quisesse mesmo viver com o pai (Ângelo Antonio), que nunca a assumiu. Ela não faz programas, mas sempre ganha uns trocados ajudando as amigas.

Já Sabrina vive sozinha, até que um jovem traficante poderoso (Guilherme Duarte) se apaixona por ela e começa a sustentá-la.

A resolução dos problemas das três garotas, na verdade, se torna estopim para novas complicações em suas vidas. Jessica briga com a mãe evangélica (Zezeh Barbosa) do pai (Silvio Guidane) de sua filha. Daiane quer ganhar o amor do pai e uma festa de 15 anos, mas só conquista a amizade de uma cabeleireira (Marieta Severo). Sabrina raramente vê o namorado, embora ele pague sua casa. O envolvimento dele com o tráfico poderá lhe trazer problemas.

Com roteiro assinado por seis pessoas - entre elas, a diretora e seu parceiro de outros filmes, Paulo Halm - "Sonhos Roubados" foi buscar sua base no livro-reportagem "As Meninas da Esquina - Diários dos Sonhos, Dores e Aventuras de Seis Adolescentes do Brasil", da jornalista Eliane Trindade -, reduzindo as personagens a apenas três.

Com uma esmerada direção de fotografia de Walter Carvalho - parceiro de Sandra em diversos filmes e codiretor de "Cazuza - O Tempo não Para" -, "Sonhos Roubados" faz um retrato franco da juventude feminina das comunidades cariocas.

A maioria dos filmes coloca em primeiro plano os homens desse mundo. Aqui, a diretora dá voz às mulheres que estão por trás desses chefões, traficantes e pais muitas vezes negligentes.

O filme levou o prêmio do júri popular no Festival do Rio do ano passado, de onde Nanda Costa saiu consagrada como melhor atriz. Isso prova o seu poder de comunicação com plateias, o que, no entanto, não justifica a simplificação dos dramas das personagens na reta final, quando tudo parece encaminhar para um final ameno, enfraquecendo um pouco tudo o que se viu até então. (Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

Mais conteúdo sobre:
FILMEESTREIASONHOSROUBAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.