"Soldado Anônimo" explora a guerra dos Bush

Logo no começo de Soldado Anônimo, o instrutor berra com o personagem de Jake Gyllenhaal e diz que ele não deve pensar, que vai encher aquele jarro de m... O novo filme de Sam Mendes reabre a trilha de Stanley Kubrick em Nascido para Matar. O treinamento militar não é só duro. Como o de Kubrick, o instrutor de Mendes enche os recrutas de desaforos e palavrões para expressar um tema que não deixa de ser kubrickiano - a exposição do fim do mundo explicada pela dissolução do único elo que une e organiza os homens, a palavra. Durante duas horas, o espectador assiste ao esvaziamento das cabeças de jarro. Mais tarde, na impressionante cena em que os soldados assistem a Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola, e a sessão é interrompida porque eles vão partir para o Iraque, fica perfeitamente claro o que o diretor de Beleza Americana quer dizer. Consagrado no teatro, Mendes estreou no cinema com aquele trabalho supervalorizado, que ganhou, entre outros, os Oscars de melhor filme, diretor e ator (James Spacey) - três estatuetas douradas que, de maneira muito mais justa, deveriam ter ido para o poderoso O Informante, de Michael Mann, com Russell Crowe. Veio em seguida Estrada para a Perdição, que tinha impacto visual, mas cujo classicismo era um tanto artificial. Mendes volta-se agora para a primeira guerra do Iraque, a de George Bush (pai), quando os americanos alegadamente invadiram o país a pedido dos governantes do Kuwait para proteger o vizinho do intervencionismo de Saddam Hussein. Claro que foi só fachada e, da mesma maneira como os soldados são estimulados a falar em pátria e liberdade e a rotular Saddam como ditador, também há um, mais consciente, que põe as coisas em perspectiva, dizendo que aquilo não tem nada a ver com direitos dos povos nem democracia - é uma questão de petróleo. Na cena em que assistem a Apocalypse Now, os soldados acompanham, cantando, a Cavalgada das Valquírias e urram cada vez que um vietnamita é abatido com as bombas de napalm. E eles gritam que querem matar Saddam, que os iraquianos têm que ser estraçalhados, que eles, os fuzileiros, são os maiores. O cinema presta-se a essa ambivalência - a ópera cinematográfica de Coppola comporta essa reação, ou interpretação, mesmo que o efeito pretendido pelo cineasta seja outro. O cinema só evita a ambivalência quando é didático e aí se apequena como obra de arte. Mendes filma a primeira invasão do Iraque para explicar a segunda. Faz obra de referência, citando Kubrick, Coppola e até aquela visão da classe média que ele próprio exorcizou, criticamente, em Beleza Americana. A fala do soldado é exemplar. Ele diz que, na guerra, o soldado é treinado para viver com seu rifle, que vira sua extensão. O rifle serve para matar e a frustração desses soldados anônimos é que, conhecendo todo o horror da guerra, eles não alcançam sua catarse, matando. E Gyllenhaal diz - "Não importa o que você faz com as mãos, depois. Se faz amor, constrói uma casa ou troca a fralda de uma criança. A experiência do rifle permanece em sua vida." Soldado Anônimo é forte. Soldado Anônimo (Jarhead, EUA/2005, 123 min.). Drama. Dir. Sam Mendes. 16 anos. Em grande circuito. Cotação: Bom

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.