DISTRIBUIDOR KLAXON CULTURA AUDIOVISUAL
DISTRIBUIDOR KLAXON CULTURA AUDIOVISUAL

'Sobre Rodas', Mauro D’Addio, cai na estrada em busca da identidade

Como seus jovens protagonistas, diretor tenta afirmar um gênero de filme

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2019 | 03h00

Laís e Lucas estão na estrada, tentando seguir a trilha do pai dela. Colhem uma informação aqui, outra ali. Chegam a essa casa que pode ser dele, e a dona, uma idosa, refere-se em termos vagos ao filho que está ausente. Convida a dupla para jantar. Frango ao molho pardo. Algo se passa, ou será só a imaginação de Laís e Lucas? O clima vira de terror, reproduzindo uma ameaça que eles já sentiram na estrada.

Curioso filme, o de Mauro D’Addio. Estranho – de cara parece só um road movie sobre o casal de amigos, duas crianças. Ela sonha encontrar o pai, a quem a mãe se refere como ‘o falecido’. Ele a ajuda, mas o próprio Lucas é deficiente. Atropelado por um caminhão, ficou paralítico. Sofre bullying na estrada. Sobre Rodas possui certo encanto, que se deve principalmente à empatia da dupla principal, formada por Lara Boldorini e Cauã Martins. Cada um tem seus motivos para enfrentar a estrada, mas digamos que, para ambos, a jornada tenha o sentido de uma afirmação da própria identidade.

Ela quer desvendar o enigma da identidade do pai. Ele quer fugir à asa protetora do pai, da mãe, desafiar o mundo para provar a si mesmo que a falta de mobilidade nas pernas não o paralisa para a vida. Saem sobre rodas. Uma bicicleta, uma cadeira de rodas. O filme on the road, na estrada, compõe um gênero específico. No Brasil, podem-se citar Central do Brasil, de Walter Salles; O Caminho das Nuvens, de Vicente Amorim, para não lembrar o mais antigo Doida Demais, de Sérgio Rezende, com Vera Fischer.

Dentro do gênero, abrem-se subgêneros – comédia familiar, drama, melodrama, terror. E a estrada, ali, com seu apelo. É metáfora de vida, de crescimento, de maturidade. Laís e Lucas transformam-se na estrada. A mãe dele, que diz que o filho foi sequestrado por uma ‘marginal’, vai ter de rever conceitos. O diretor, também. Ele tenta uma via – o filme infantojuvenil. Precisa aprimorar-se, mas tem potencial.

 

Mais conteúdo sobre:
Mauro D'Addiocinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.