Só elogios ao novo filme de Spike Lee

É o melhor filme de Spike Lee desde Malcolm X. Ou mesmo desde Faça a Coisa Certa. E com certeza é um dos melhores do anos. É assim que o crítico de cinam da AP Christy Lemire reagiu ao novo trabalho do cineasta, 25th Hour, o primeiro filme (descontando os documentários) a retratar a Nova York pós-atentados.O diretor partiu de um argumento aparentemente simples: as últimas 24 horas em liberdade de um traficante (Edward Norton) condenado à prisão. Ninguém sabe como lidar com ele, nem sua namorada (Rosario Dawson) - suspeita de entregá-lo à polícia -, nem seus amigos de infância, nem o professor, nem seu pai (Brian Cox), que ainda está de luto pela morte da esposa.O filme é baseado no romance homônimo de David Benioff, de 2001. Foi lançado antes dos ataques de 11 de setembro, mas, para Spike Lee, que encarna como poucos o espírito nova-iorquino, não tinha como ignorar o tanto que a cidade mudou após a tragédia.Ao contrário de outros cineastas, que simplesmente apagaram digitalmente ou cortaram de seus filmes as cenas com as torres do World Trade Center, Spike Lee resolveu filmar a nova paisagem com naturalidade, um ano após os atentados, com dois enormes feixes de luz que partem dos locais onde antes se ergueram as torres gêmeas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.