Sindicato aprova acordo que encerra greve de roteiristas nos EUA

Proposta prevê pagamento de ganhos pelo venda das obras por meio da internet.

Da BBC Brasil, BBC

08 Fevereiro 2011 | 15h00

Os líderes do principal sindicato que representa os roteiristas de cinema e TV dos Estados Unidos, a Writers Guild of America, aprovaram neste domingo um acordo para encerrar a greve da categoria, que já dura três meses.Segundo os termos do acordo, os estúdios vão destinar aos roteiristas uma parcela dos ganhos obtidos com os downloads de material que eles escreveram e que seja disponibilizado na internet.Os líderes da Writers Guild of America aprovaram a proposta após discutir os seus termos em reuniões em Nova York e Los Angeles. A expectativa é que agora o acordo seja ratificado de forma definitiva por todos os membros do sindicato em uma votação na terça-feira. Depois disso, os roteiristas voltariam ao trabalho.A greve levou à suspensão temporária de 60 programas de televisão e paralisou a produção de dezenas de filmes.FórmulasNo sábado, os presidentes da Writers Guild of America enviaram um e-mail a seus membros dizendo que "ainda que o acordo não seja perfeito ou seja o que merecemos, nossa greve tem sido um sucesso". O presidente do sindicato na costa oeste, Patric Verrone, e o presidente na costa leste, Michael Winship, disseram que o acordo "protege um futuro em que a internet se tornará uma fonte primária tanto de criação de conteúdo como de distribuição". "Ele cria fórmulas para pagamentos baseados no faturamento em novas mídias, estabelece o acesso a acordos e dados financeiros para nos ajudar a avaliar e fiscalizar tais fórmulas e estabelece o princípio de que, quando eles (os estúdios) são pagos, nós somos pagos." Um acordo garantirá a realização normal da cerimônia do Oscar, marcada para o dia 24 de fevereiro.Cerca de 10,5 mil roteiristas americanos entraram em greve em cinco de novembro.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.