"Silencio Roto" é destaque no Festival de Locarno

Um episódio adormecido da história espanhola, revivido pelo cineasta Montxo Armendáriz. Silencio Roto surge como o melhor filmeconvidado do Festival Internacional de Cinema de Locarno. De origem basca, Armendáriz conta a história de resistentes republicanos anti-franquistas escondidos nas montanhas espanholasmesmo depois do fim da Guerra Civil e da Segunda Guerra Mundial.Incapaz de vencer esses guerrilheiros, a Guarda Civil espanhola se vingava nos parentes dos resistentes, com torturas e assassinatos.Silencio Roto (Silêncio Rompido) é um ato de quebra de silêncio, diz Armendáriz, repetindo uma frase de Bertold Brecht - "o silêncio nos leva a repetir os mesmo erros". Meu filme se dirige aos jovens em particular, para que possam conhecer o passado e evitar oscomportamentos de guerra e violência que levam ao horror e à destruição".Por que reavivar o passado, numa Espanha que prefere esquecer seus fantasmas? Armendáriz - Acho que esquecer não ajuda em nada e recordar o passado ajuda a entender o presente. Havia um período sombrio na nossahistória, não só da Guerra Civil, mas ao que se seguiu à Guerra Civil, nos anos 50 e 60, com muitos resistentes anti-franquistas organizados nas montanhas, que continuavam lutando pelas liberdades democráticas. O filme é uma tentativa de justiça e memória histórica com as pessoas que deram sua vida naquela época. O passado não deveser esquecido mas enfrentado, porque dele podemos tirar lições atuais, como na ex-Iugoslávia.O senhor teve participação na luta contra Franco, é um filme autobiográfico?Não, não é autobiográfico, pois nessa época, eu não tinha nascido ou era muito pequeno. A resistência contra o franquismo da qual participei foi outra, mas não dessa luta armada contada no filme. Participei assim de atividades clandestinas na região de Pampelune, fui preso e sofri torturas.Sua intenção era a de fazer um filme político?Não era minha intenção falar do movimento guerrilheiro espanhol e de suas discussões e problemas ideológicos. Queria utilizar esss momentos para mostrar comportamentos humanos e para destacar o trabalho e a luta das mulheres, ação pouca conhecida. Interessavam-me as mulheres, mães, noivas, filhas, as mais indefesase que ficavam nos povoados, sofrendo toda repressão. Sofrimento sobre o qual pouco se falou, quando os próprios guerrilheiros diziam quenão poderiam ter resistido sem o apoio dessas mulheres no seu reabastecimento. O debate ideológico sobre a ação dessas guerrilheiros implicaria em fazer outro filme.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.