REUTERS/Issei Kato - 28/04/2018
REUTERS/Issei Kato - 28/04/2018

Sexismo prevalece em Hollywood apesar do movimento #MeToo, revela pesquisa

Pesquisa online, lançada em novembro de 2019, foi considerada a maior de todos os tempos no setor, abrangendo trabalhadores de televisão e cinema e outras áreas

Redação, Reuters

16 de dezembro de 2020 | 21h31

LOS ANGELES — Três anos depois de o movimento #MeToo agitar Hollywood, fazendo com que dezenas de homens poderosos perdessem seus empregos, dois terços das mulheres que participaram de uma pesquisa do setor de entretenimento divulgada na terça-feira, 15, relataram incidentes contínuos de assédio sexual.

A pesquisa da Comissão de Hollywood também perguntou sobre racismo, e revelou que menos da metade dos que participaram acredita que Hollywood valoriza origens e pontos de vista diversos.

A pesquisa online, lançada em novembro de 2019, foi considerada a maior de todos os tempos no setor, abrangendo trabalhadores de televisão e cinema, comerciais, teatro, música, transmissão de notícias, agências de talentos, relações públicas e ambientes corporativos.

Quase 10 mil pessoas responderam às questões. Cerca de 67% das mulheres relataram ter passado por assédio de gênero durante os 12 meses anteriores, com 42% das mulheres relatando interesse sexual inadequado.

Uma pessoa que participou anonimamente disse à comissão que quando trabalhava como assistente, o executivo-chefe da empresa "me deu tarefas para flertar com outras pessoas poderosas do setor para tentar conseguir mais reuniões com meus chefes".

A comissão, presidida pela professora de direito Anita Hill, afirmou que Hollywood fez progressos no tratamento de "questões culturais e climáticas significativas de assédio e discriminação", mas é preciso fazer mais.

As recomendações da comissão incluem limitar a confidencialidade e os acordos de não divulgação, proibir o bullying, aumentar a orientação e realizar treinamento de observação que ajude os funcionários a neutralizar incidentes racistas ou sexistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.