Chris Pizzello/Invision/AP
Chris Pizzello/Invision/AP

Sétimo episódio faz de 'Star Wars' fenômeno da indústria de boatos

Ainda em pré-produção, novo filme já movimenta o mercado

Alicia García de Francisco, EFE / Madrid

28 de abril de 2014 | 02h10

Mal começou a ser rodado o episódio 7, e a febre de Guerra nas Estrelas já se espalha como uma epidemia, com informações sobre sua semelhança com a trilogia original de George Lucas e muitos boatos a respeito de novas incorporações ou novas e exóticas localizações.

Oficialmente, a Disney e a Lucasfilm forneceram poucos dados - e alguns deles, inclusive, equivocados, talvez de propósito. Em março, elas anunciaram que a filmagem de Guerra nas Estrelas: Episódio 7, dirigida por J.J. Abrams, começaria em maio, nos estúdios de Pinewood, em Londres, mas pouco depois, no dia 2 de abril, o presidente dos estúdios Disney, Alan Horn, anunciou que, na verdade, os trabalhos já haviam começado.

Em uma entrevista concedida a The Hollywood Reporter, Horn reconheceu que o casting ainda não estava completo em razão dos atrasos ocorridos com o roteiro, escrito por Abrams e Lawrence Kardan, responsável por Guerra nas Estrelas: Episódio 5 - O Império Contra-ataca e Guerra nas Estrelas: Episódio 6 - O Retorno de Jedi.

O roteiro baseia-se numa ideia original de Michael Arndt, vencedor de um Oscar por Pequena Miss Sunshine. E, segundo o site oficial da saga, o sétimo episódio começa 30 anos depois do momento em que se encerra O Retorno de Jedi e conta com "um trio de jovens líderes, juntamente com alguns rostos muito familiares" - e isso, claro, tem alimentado os boatos sobre a presença de alguns dos protagonistas dos filmes originais: Harrison Ford (Hans Solo), Mark Hamill (Luke Skywalker) ou Carrie Fisher (a princesa Leia).

Em março do ano passado, Ford confirmou que o seu regresso à saga era provável, embora ainda não estivesse fechada; Carrie Fisher também indicou, na época, que estaria disponível para o episódio; e George Lukas comentou pouco depois que as negociações com Hamill e Ford estavam bastante avançadas. Mas o fato é que nada de concreto se sabe ainda a respeito dos protagonistas, embora com certeza devam ser nomes desconhecidos.

Lupita? A jovem britânica Maisie Richardson Seller poderá interpretar uma descendente de Obi Wan Kenobi, segundo The Hollywood Reporter, publicação que também mencionou nomes como o da queniana Lupita Nyong'o - recente vencedora do Oscar por 12 anos de Escravidão - e de Ed Speelers, conhecido pela participação na série britânica Downton Abbey.

Já o jornal The Guardian arriscou-se a acrescentar à lista de artistas envolvidos no projeto os nomes de Gary Oldman, Michael Fassbender, John Boyega (Attack the Block) ou Jesse Plemons (A Química do Mal) - mas nenhum foi confirmado pela Disney ou pela Lucasfilm.

Sabe-se porém oficialmente que a data prevista para a estreia é 18 de dezembro de 2015; e também são conhecidos os nomes da equipe técnica, desde o diretor de Fotografia, Dan Mindel, até os produtores executivos Rick Carter e Darren Gilford, passando pelo compositor John Williams, que volta a se encarregar da música, pela qual, aliás, recebeu um prêmio Oscar em 1978.

Mas, apesar do sigilo oficial, os detalhes da produção sempre aparecem, como o fato de que Peter Mayhew voltará a dar vida a Chewbacca, o fiel e peludo amigo de Hans Solo. Também se sabe que Adam Driver, conhecido por seu papel na série da HBO Girls, será o novo vilão da história, segundo informou a revista especializada Variety, embora a Disney não o tenha confirmado.

E que Abu Dhabi substituirá Túnis como cenário onde será recriado o planeta Tatooine, de onde Luke Skywalker é originário. A equipe chegará em meados de maio para filmagens no deserto.

Entretanto, não se sabe qual será o título deste sétimo episódio e, embora se afirme que poderá estar mais próximo da primeira trilogia do que da segunda, tampouco sabe-se até onde irá a nova história ou em quem se centrará.

O certo é que será um sucesso de bilheteria e espera-se que supere os números da segunda trilogia. Quanto à bilheteria, em termos absolutos, Guerra nas Estrelas: Episódio 1 - A Ameaça Fantasma, é o que mais deu dinheiro, US$ 1,045 bilhão.

Mas, corrigindo-se as cifras da primeira trilogia com base na inflação, Guerra nas Estrelas, com a qual tudo começou, seria o segundo filme mais da história do cinema, sendo superado apenas por E o Vento Levou. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Tudo o que sabemos sobre:
CinemaStar Wars

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.