Sesc Ipiranga traz de volta "O Ébrio"

Estrelado pelo cantor Vicente Celestino, o clássico do cinema nacional O Ébrio (1946), dirigido por sua mulher Gilda de Abreu, volta às telas em cópia restaurada. A sessão, agendada para 17 de janeiro, abre o projeto do Sesc Ipiranga dedicado aos esforços de recuperação de clássicos do cinema nacional. Além de O Ébrio, também serão exibidos a chanchada Aviso aos Navegantes (1950), de Watson Macedo, o musical Alô Alô Carnaval (1935), de Ademar Gonzaga, e o cult Tudo Azul (1951), de Moacir Fenelon, relançado no último Festival de Brasília.O Ébrio toma emprestado de Celestino o título de uma de suas mais conhecidas gravações, de 1937. Assim, como na letra da música, o filme conta a história de um jovem do interior (Celestino) que chega à cidade grande e vira médico e cantor de sucesso. Traído pela mulher, acaba se entregando ao alcoolismo. De acordo com a assessoria de imprensa, estima-se que em seus primeiros quatro anos de exibição, o filme tenha arrebanhado quatro milhões de espectadores.A sessão no Sesc Ipiranga, às 20 horas, contará com um bate-papo com a atriz Isabel de Barros, que integrou o elenco do filme, e Alice Gonzaga, filha do diretor de Alô Alô Carnaval. Após a exibição do filme, Edu Maia e o Bando de Macambira repassam antigos sucessos da música brasileira, como Porta Aberta, Coração Materno (que virou filme, repetindo a parceria Vicente Celestino/Gilda de Abreu) e, claro, O Ébrio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.