Imagem Filmes
Imagem Filmes

Sergio Guizé anuncia volta à TV na 2ª temporada de 'Popstar'

No cinema, ator está no recém-lançado 'Além do Homem' e também em 'Mulheres Alteradas', comédia que estreia no dia 5

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

28 Junho 2018 | 22h11

Paulista de Santo André, Sergio Guizé completa, aos 38 anos, 20 anos de carreira. Na TV desde 2004 – uma participação em Da Cor do Pecado –, ele estourou como o Cândido de Êta Mundo Bom, em 2016. Desde então, não para de trabalhar, e admite que está precisando de umas férias, mas só depois de uma atração muito especial na TV, em setembro. Um filme em cartaz, outro com estreia na próxima quinta, 5, outros quatro a caminho, isso sem falar no teatro, em que se mantém muito ativo e no qual está sempre cheio de planos. Uma característica – duas. Guizé adora mudar, ousar. E, quando se atira num papel, vai fundo. Busca as motivações mais profundas do personagem, se entrega.

Foi assim que, depois do Candinho da novela de Walcyr Carrasco, livremente adaptado de contos do iluminista francês VoltaireCândido, ou O Otimismo –, fez o marido violento de O Outro Lado do Paraíso. “O Gael era realmente muito perturbado.” Nos filmes em cartaz, faz, em Além do Homem, de Willy Biondani, um pesquisador brasileiro que tenta triunfar no mundo intelectual francês e se arrisca a ser, autofagicamente, devorado nos choques culturais do interior de Minas. É um filme que tem ambições autorais e artísticas, e não que o outro, Mulheres Alteradas, que Luiz Pinheiro adaptou dos quadrinhos de Maitena Burundarena, não as tenha, mas é comédia, terá lançamento maior (no dia 5), quem sabe um blockbuster. Aqui, Guizé faz Dudu, o marido de Keka, Deborah Secco. Enquanto a mulher tenta salvar um casamento falido, Dudu empurra com a barriga, à espera de que Keka se canse, e aceite o inevitável. O casamento, em definitivo, acabou.

“Tivemos uma preparação muito interessante. O Luiz (diretor) adora construir as cenas longas, em plano-sequência e a preparação estimulava a gente a criar situações. Eu propunha esse Dudu mais pusilânime, que provocava as mulheres e elas reagiam.” Já o Alberto de Além do Homem foi completamente diverso. “Esse filme teve uma produção mais acidentada. Íamos filmar em Paris e ocorreram os atentados. A produção foi retardada e aproveitei para aprimorar meu francês.” Alberto forma uma dupla às vezes cômica com Tião/Fabrício Boliveira, que faz o motorista encarregá-lo de levá-lo ao interior das Gerais, na área em que sumiu um pesquisador francês, possivelmente devorado por nativos.

Tião faz uns olhos de quem quer ter sexo com Alberto. “O comer, no caso, é metafórico e o que está em discussão é a antropofagia, que faz parte da história brasileira, com nossos índios canibais, e da própria cultura, com a Semana de 22.” O filme é muito bonito visualmente. “Willy (o diretor) era fotógrafo e tem, muito naturalmente, esse olho para a beleza.” O repórter reclama que muito desse Brasil interiorano e multicolorido parece coisa para turista – para francês ver. “Você acha? O Willy é um cara tão sensível, tão comprometido. Não creio que seja isso.” Atenção, galera – pode ser plus a mais para quem se interessou pelo filme, mas Sergio Guizé aparece nuzinho – nu frontal – em cena. Ele fala o tempo todo calmamente, pausadamente. “Ah, mas qual é o problema? Se a cena faz sentido, tem exigência dramática, não vejo problema nenhum em ficar nu. Na verdade, fui eu que propus ao Willy, porque achei que desnudar o Alberto ia permitir que a gente chegasse mais nas entranhas dele, eliminando a casca que criou.”

+++ Sergio Guizé fez aulas de francês para interpretar escritor 

De novo, a preparação foi fundamental. “Tivemos uma preparadora do (Teatro) Oficina, a Juliane, que fez um trabalho muito sério, uma coisa assim xamânica que foi muito importante. Todo esse projeto (Além do Homem) foi muito bem pensado e preparado; gostaria que as pessoas percebessem isso.” Além de Guizé e Boliveira, o filme conta com a participação do veterano Otávio Augusto e uma expressiva galeria feminina, incluindo Débora Nascimento, Giselle Motta e Flávia Garrafa. Querem mais? Na parte francesa, destaca-se outro veterano, o ator, diretor, roteirista, produtor e cantor Pierre Richard, de filmes como Le Jouet e Loiro, Alto, de Sapato Preto, ambos refilmados em Hollywood. Entre os demais filmes prontos de Guizé está Terapia do Medo, incursão de gênero de Roberto Moreira, rodado no litoral paulista. Cléo Pires faz gêmeas e o filme é um suspense com toques de sobrenatural. De novo, Guizé muda. “Acho que vai ser bem bacana.” Cinema, cinema – e a televisão? “Volto em setembro, com a segunda temporada do (reality show) Popstar. Sabe, né? Aquele que o André Frateschi venceu no ano passado. Vou participar com nossa banda de punk rock.”

+++ ‘Além do Homem’ cria universo fantasioso para evocar raízes brasileiras 

E ele explica – a Tio Che, criada no ABC Paulista, surgiu muito politizada. Ele é guitarrista e vocalista. “Nossas primeiras músicas eram realmente muito engajadas, alimentadas pelo mito de Che Guevara, que era muito forte para a gente. O Tio Che é o primo pobre do Tio Sam.” Guizé está muito animado com o Popstar. A banda já se apresentou em shows – arrebentou no Recife –, tem CDs gravados, mas o Popstar “oferece a possibilidade de atingir um público maior e mais diversificado”. 

Mais conteúdo sobre:
Sergio Guizé cinema televisão telenovela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.