EFE/EPA/MIKE NELSON
EFE/EPA/MIKE NELSON

Sem 'dress code', atrizes protestam com adereços no tapete vermelho do Oscar 2018

Como sugerido pelo movimento Time's Up, broches e laços foram utilizados como forma de protesto

EFE

04 Março 2018 | 22h31

LOS ANGELES — Sem o preto como padrão de vestimenta exigido pelo Time's Up, movimento criado em Hollywood para combater a discriminação e o assédio sexual, as celebridades que passaram pelo tapete vermelho do Oscar 2018 neste domingo voltaram a variar nas cores, mas algumas protestaram de outras formas.

+ AO VIVO: Oscar 2018

Como sugerido pelo movimento, broches e laços foram utilizados como forma de protesto, em vez dos vestidos pretos que dominaram eventos anteriores e que ainda marcaram presença nesta 90ª edição do evento, mas sem uma clara conotação.

A atriz e cantora Sofia Carson foi uma das primeiras a chegar ao Teatro Dolby de Hollywood, com um vestido vermelho somado a uma capa da mesma cor, mas nenhuma referência ao protesto.

Minutos depois, Elaine McMillion Sheldon passeava em frente às câmeras com um vestido acetinado azul, decorado com flores douradas no decote. Para completar, a cineasta utilizou o broche oficial do movimento Time's Up, a única insígnia que a organização pediu que fosse utilizada na cerimônia em apoio à luta contra os abusos de gênero na indústria cinematográfica.

Essa decisão tomada pela plataforma visa evitar que as reivindicações sejam vinculadas unicamente com os tapetes vermelhos, após as ondas de trajes pretos que protagonizaram o Globo de Ouro e os BAFTA. No entanto, até o momento foram vistos poucos adereços.

Um dos poucos broches notados foi o da atriz Paz Vega, que optou por um elegante vestido tomara que caia branco com flores de cerejeira.

Outra veterana da indústria, Jane Fonda, posou para as câmeras com um vestido branco de manga longa, adornado com o broche do "Time's Up".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.