Sem acordo, sindicato considera paralisar setor

A Agência Estado entrou em contato com Cheryl Rhoden, diretora executiva assistente do Writers Guild America, o sindicato americano de roteiristas e escritores. Cheryl, que faz parte da diretoria do sindicato que mais tem ameaçado os interesses das grandes empresas de Hollywood, concordou em responder algumas perguntas enviadas por e-mail.Agência Estado - A Alliance of Motion Picture and Television Producers (AMPTP) ainda anuncia que o valor dos contratos requeridos pela Writers Guild of America (WGA) pode alcançar US$ 2,5 bilhões?Cheryl Rhoden - Acredito que sim. Eu não vi nenhuma nota em que avisam ter mudado os valores. Nós publicamos recentemente um press release em resposta a eles (a publicação data de 4 de janeiro, e explica detalhadamente a soma dos gastos nos novos contratos, comprovando a soma de US$ 725 milhões).Há algum outro motivo para a greve, no dia 2 de maio, além desse desacordo?Nossos contratos com os grandes estúdios, as produtoras e as emissoras, terminam em 1º de maio. Se não conseguirmos chegar a um acordo o sindicato pode proclamar uma paralisação de trabalho. No entanto, é possível que mantenhamos as negociações. O sindicato pediu às empresas que iniciassem uma negociação de duas semanas, com início no dia 22, num esforço para que se chegue antes a um acordo.A receita residual da distribuição de projetos teatrais ou televisivos, como por exemplo séries americanas exibidas na América do Sul, é outro problema crítico para a saúde econômica dos escritores durante suas carreiras. Pode-se pegar qualquer ano e constatar que 50% dos roteiristas não recebem nada por esses resíduos. Esse dinheiro paga hipoteca, aluguel, comida, roupa, etc, para as famílias deles durante esse período. Muitas dessas fórmulas de pagamento não mudaram em 30 anos. Os outros sindicatos irão apoiar esse movimento?Nós estamos trabalhando bastante próximos da Screen Actor Guild (SAG) e da American Federation of Television and Radio Artists (AFTRA), cujos contratos expiram dois meses depois dos nossos. O contrato da Directors Guild of America (DGA) não terminará até o outro ano. Além disso, a DGA se opõe às propostas quanto autoria para os roteiristas, alegando que isso permitiria que os escritores poderiam estar nos sets de filmagem durante a produção de determinada obra, e assim participariam exageradamente na colaboração criativa daquilo que está sendo filmado. Eles acham que isso interfere no controle do diretor. Nós não concordamos, pois não estamos pedindo controle criativo, mas sim participação na criação. Muitos diretores já fazem isso. Muitos dos nossos membros são roteiristas-diretores e apóiam o sindicato dos escritores. A WGA acha possível que todos esses acontecimentos possam eventualmente despertar o interesse de Hollywood para produções independentes e estrangeiras?Os artistas nos Estados Unidos torcem bastante por produções estrangeiras e independentes. Mas as grandes companhias controlam toda a distribuição de produtos em cinema e televisão. Por isso me parece improvável que uma greve possa aumentar a produção ou distribuição de filmes independentes ou estrangeiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.