JOSÉ PATRICIO/ESTADÃO
JOSÉ PATRICIO/ESTADÃO

Sebastião Salgado, o fotógrafo plantador de futuro, fala sobre 'O Sal da Terra'

Documentário trata sobre sua obra, e sobre a ONG ambiental que mantém em Minas Gerais

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

27 Março 2015 | 03h00

Juliano Ribeiro Salgado reconhece que tinha uma relação meio distante com o pai, o grande fotógrafo Sebastião Salgado. “Falávamos de futebol, de amenidades. O filme nos aproximou.” O filme é Sebastião Salgado – O Sal da Terra, documentário premiado em Cannes, no ano passado, e que ficou entre os finalistas para o Oscar da categoria, neste ano. Juliano divide a direção com Wim Wenders. É um filme que permite múltiplas leituras. Retrata o Sebastião fotógrafo e o ambientalista, aborda um pai pelo olhar do filho e, para Wenders, que já fez Paris, Texas, é outro olhar sobre a ligação pai/filho.

Sebastião esteve na cidade quando O Sal da Terra abriu o festival Ecofalante. O filme acaba de entrar em cartaz. “Já fui tema de vários documentários, mas esse é especial. Um pouco porque foi feito por meu filho e por Wenders, um grande diretor, mas também porque os demais, incluindo o de Betse de Paula, foram feitos para TV. Esse foi feito para cinema, e isso faz toda a diferença.” E Sebastião, que o filho chama de ‘Tião’, prossegue – “Juliano fez algumas viagens de trabalho comigo, desde que, aos 15 anos, ganhou uma câmera (Laica) e fez um trabalho de documentação para a escola. Estivemos juntos em Ruanda, em 1991, quando começou a repressão que culminou no genocídio, mas essa foi a primeira vez em que ele me retratou.”

É um duplo retrato – do artista, mas também do ambientalista. Como fotógrafo, Sebastião não é uma unanimidade. Existem críticos que o censuram por embelezar suas fotos sobre os miseráveis do mundo. Chamam a isso de estetização/cosmetização da miséria. Sebastião não entra na polêmica. “Faço meu trabalho. A fotografia é uma arte formal. Trabalho com angulação, enquadramento, iluminação. Não manipulo minha câmera de forma diferenciada se estou filmando a natureza, animais, pessoas pobres ou ricas. Uma das coisas que aprendi nessa atividade é a me comunicar com integrantes de culturas diversas e a reconhecer a doçura de outros povos.”

O filme põe ênfase no Sebastião ambientalista, que criou o Instituto Terra com a mulher, Lélia Wanick Salgado. “É a minha companheira. Na vida, no trabalho, em tudo. Sem ela não teria feito um terço do que fiz.” 

O instituto, uma ONG ambiental, desenvolveu um projeto de reflorestamento da Mata Atlântica. E existe o programa Olhos d’Água, que a ONU-Água reconhece como um dos melhores do mundo na recuperação e conservação de recursos hídricos, um tema crucial no Brasil de 2015. Sebastião e a mulher plantam o futuro, como o filme mostra. E têm o maior orgulho disso. 

Mais conteúdo sobre:
CinemaSebastião Salgado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.