Scorsese se une a produtora brasileira no Festival de Cannes

Rodrigo Teixeira, da RT Features anunciou parceria inédita com a Sikelia, a produtora do cineasta

Flavia Guerra, O Estado de S. Paulo

22 de maio de 2014 | 03h00

Se neste ano o cinema brasileiro não está na competição oficial de Cannes, os produtores brasileiros têm tido representação positiva nas reuniões de mercado do festival. Além de nomes como Vânia Catani, que à frente da Bananeira Filmes leva a coprodução Brasil-Argentina El Ardor, Sara Silveira, da Dezenove Som e Imagens, participa da Fábrica de Cinema do Mundo, e o produtor Rodrigo Teixeira, da RT Features anunciou parceria inédita com a Sikelia, a produtora de Martin Scorsese.

Em linhas gerais, a joint venture vai investir na criação de um fundo que irá realizar cinco filmes de novos diretores (que já tenham dirigido de um a três projetos), com orçamento de U$ 5 milhões cada. "Vamos trabalhar e aprovar juntos quem serão os novos nomes", declarou o Rodrigo Teixeira, por telefone ao Estado.

Sobre a empreitada, o próprio Martin Scorsese declarou, em comunicado oficial: "Estou animado e energizado em trabalhar com Rodrigo Teixeira e RT Features neste iniciativa. Está cada vez mais difícil para jovens cineastas conseguirem fazer seus filmes. Este fundo vai prover apoio real onde há necessidade urgente."

Teixeira conta que Scorsese chegou até ele por meio de Francis Ha (de Noah Baumbach) , que o brasileiro coproduziu e se tornou sucesso do cinema cult americano de 2013. "Ele viu Frances Ha e gostou. E eu disse a uma produtora francesa que trabalha comigo que o meu sonho era conhecer Scorsese. Ela fez a ponte e um mês depois estava na casa dele conversando sobre o projeto," contou. "A negociação levou um tempo. Mas deu certo e Cannes era o lugar ideal para anunciar", completou Teixeira, que já está analisando projetos para o primeiro longa da parceria. "Não está decidido ainda, mas devemos tê-lo filmado até o final do ano."

No processo, Scorsese e a produtora Emma Tillinger Koskoff, da equipe da Sikelia, irão analisar as propostas e oferecer suporte necessário para que as produções sejam realizadas. "Há interesse artístico e mercadológico, claro. Mas eles têm interesse de intercâmbio. Nós também vamos trazer o que aprendermos para o cinema brasileiro", disse o produtor.

Teixeira informa que os projetos não serão necessariamente brasileiros ou americanos. "Poderão ser de qualquer país e qualquer diretor que tenha uma proposta que tenha nosso perfil."

Pelo perfil, entenda-se filmes de baixo orçamento, com roteiro bom. "Pense nos filmes que o cinema americano produziu na década de 70, como os de Scorsese. Este modelo é o ideal", disse o produtor, cuja RT Features já coproduziu internacionalmente, além de Frances Ha, Night Moves, de Kelly Reichardt, o novo de Baumbach, ainda sem título, e o canadense A Bruxa, em fase de rodagem. No Brasil, em 2014, a RT lançou Alemão, de José Eduardo Belmonte, com quem se prepara para rodar Memórias do Cárcere.

Tudo o que sabemos sobre:
Festival de CannesMartin Scorsese

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.