Scorsese não ter levado Oscar ´é uma piada´, diz DiCaprio

Há tempos que o diretor Martin Scorsese merece um Oscar e ele ainda não ter sido premiado é "uma piada", disse nesta quinta-feira o ator Leonardo DiCaprio, em coletiva de imprensa em Tóquio sobre o filme Os Infiltrados, que protagoniza, um dos fortes candidatos ao prêmio da Academia. Scorsese, que acaba de receber o Globo de Ouro de melhor diretor pelo filme, disse que desde Caminhos Perigosos (1973) entendeu que "não se pode fazer um filme para ganhar o Oscar", já que é um processo "fora de qualquer controle". A candidatura ao Oscar foi um dos assuntos abordados na grande entrevista coletiva de Scorsese e DiCaprio com cerca de 200 fotógrafos e 500 jornalistas. DiCaprio DiCaprio, que atuou também em Gangues de Nova York (2002) e O Aviador (2004) ambos dirigidos por Scorsese, disse que a amizade com um jovem de Boston próximo ao mundo do crime narrada em Os Infiltrados foi fundamental para preparar seu personagem, o policial Billy Costigan. O ator de Titanic afirmou que durante as filmagens foi separado do ator Matt Damon, que interpreta seu rival no filme, para criar a distância necessária para dois personagens infiltrados mutuamente em seus respectivos mundos. Ao ser questionado pela experiência de trabalhar junto com o ator Jack Nicholson, DiCaprio ficou em silêncio e perguntou se os presentes conheciam um documentário sobre as filmagens do aterrorizante O Iluminado, de Stanley Kubrick, e depois esclareceu que se referia aos exercícios que Nicholson fazia para preparar sua carga emotiva na obra de Kubrick, acrecescentando que os diálogos com ele foram os momentos de maior tensão nas filmagens. "Na primeira cena com Nicholson, entendi quem era verdadeiramente meu personagem", disse DiCaprio, acrescentando que o protagonista de filmes como Um Estranho no Ninho não deixa de criar "acidentes felizes que acabam em grandes momentos cinematográficos". Scorsese Embora Scorsese esteja preparando um filme baseado no livro Silence, do falecido autor japonês Shusaku Endo, os organizadores da entrevista coletiva proibiram os jornalistas de fazer perguntas sobre outra obra que não fosse Os Infiltrados. Scorsese lembrou sua predileção por obras sem trama e manifestou que está surpreso pela reação positiva da crítica ao resultado. Os Infiltrados, no entanto, é um pouco atípico em sua filmografia, por ter um tema musical composto a propósito em vez das freqüentes melodias que vêm de rádios ou alto-falantes presentes na respectiva cena. Segundo Scorsese, quando buscou um ritmo para expressar "uma dança da morte" encontrou o tango, e decidiu que uma série de versões em violão era perfeita para acompanhar a tensão crescente da história. O diretor confessou que, inicialmente, rejeitou fazer "Os Infiltrados", mas que, à "medida que o clima moral do mundo mudava", em referência aos atentados de 11 de setembro de 2001, o projeto o convenceu e tomou forma. "E, além disso, DiCaprio me faz lembrar a razão pela qual comecei a fazer filmes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.