Gregorio Borgia/AP
Gregorio Borgia/AP

Scorsese ajuda a restaurar 'A Doce Vida' de Fellini

Fundação de Martin Scorsese apresenta cópia restaurada, com cenas inéditas, no Festival de Roma

AP/EFE

30 de outubro de 2010 | 23h52

A Doce Vida está de volta. O clássico de Federico Fellini foi restaurado com a ajuda da fundação de Martin Scorsese para a preservação de tesouros do cinema. O Festival Internacional de Cinema de Roma comemorou no sábado o 50.º aniversário do filme com a estreia mundial da versão restaurada, com dez minutos de cenas inéditas.

 

Em entrevista aos jornalistas, Scorsese disse que A Doce Vida quebrou as regras da narrativa e impulsionou a cinematografia.

 

O diretor norte-americano também falou sobre a importância de conservar filmes para as futuras gerações. "Temos uma obrigação com nossos filhos para que eles ao menos possam saber que isto existe.

 

Depois de 8 mil horas de trabalho de restauração o público poderá rever as cenas do famoso banho proibido da bela Anita Ekberg nas águas da Fontana di Trevi, do qual foram descartados os planos em que se veria a atriz entrando no monumento.

 

A expressão de Anita ao sentir o frio das águas e o brilho nos olhos de Marcello Mastroianni olhando para ela se somam agora às quase três horas definitivas do filme.

Mais conteúdo sobre:
Scorsese'A Doce Vida'Fellini

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.