Sandra Corveloni recebe prêmio de melhor atriz em Cannes

Atriz brasileira foi premiada por atuação no filme 'Linha de Passe', de Walter Salles e Daniela Thomas

Efe e Beth Néspoli, de O Estado de S. Paulo,

08 de maio de 2025 | 14h50

A atriz paulistana Sandra Corveloni venceu no 61.º Festival de Cannes o prêmio de melhor atriz pelo filme Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas. Ela não foi ao Festival com a equipe do filme por ter perdido, recentemente, o filho que esperava. Sandra estava grávida de 5 meses e sua filha se chamaria Ana Clara. A atriz tem um filho de 5 anos. A Palma de Ouro, prêmio máximo do evento, foi para o filme francês Entre Les Murs (Entre as Paredes), dirigido por Laurent Cantet. O pernambucano Tião também saiu vencedor do festival este ano. O diretor recebeu o prêmio Olhar Novo (Regard Neuf) na Quinzena dos Realizadores pelo curta-metragem Muro.   Veja também: 'Entre Les Murs', de Cantet, ganha a Palma de Ouro em Cannes Após 22 anos, Sandra quebra jejum do Brasil em Cannes Galeria com fotos da premiação do Festival de Cannes  A reportagem do Estado entrou em contato com Sandra, que atendeu o telefone, disse que estava muito feliz em receber o prêmio, mas logo foi chamada ao celular pela França.   Formada em teatro pela PUC-SP, Sandra Corveloni é atriz do Grupo Tapa, dirigido por Eduardo Tolentino, desde 1998. No próximo domingo, o espectador poderá conferir sua atuação na telinha, pois ela integra o elenco do teleteatro O Telescópio, peça de Jorge Andrade, dirigida por Eduardo Tolentino, na série Direções, da TV Cultura. O programa vai ao ar às 23 horas. Na atração, ela faz o papel de Leila, a filha do patriarca que provoca conflito ao voltar ao campo, à fazenda do pai, para discutir sua herança.   Na foto, Brian Penido Ross, Sandra Corveloni, Barbara Paz e Zecarlos Machado na peça Contos de Sedução do Grupo Tapa. Foto: Zuza Blanc   Sandra é quem assina ainda a co-direção da peça Amargo Siciliano, de Pirandello, que está em cartaz no Viga Espaço Cênico, em São Paulo. No Tapa, participou como atriz em dezenas de peças, entre elas Moço em Estado de Sítio, de Oduvaldo Viana Filho, Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, Rasto Atrás, de Jorge Andrade, Major Bárbara, de Bernard Shaw e Órfãos de Jânio, Millôr Fernandes. E, também no Tapa, dirigiu As Viúvas de Artur, espetáculo que unia três peças curtas de Artur de Azevedo. "Estou muito emocionado", diz Eduardo Tolentino. "Modestamente, porque não gosto de desafiar os deuses, eu antecipei que ela ganharia um grande prêmio internacional", diz Eduardo.   "Estou explodindo de felicidade. Esse prêmio é bom para todos, bom o teatro, para o cinema brasileiro. É especial por várias circunstâncias, é o sol que se abre, essa magia que acontece onde existe empenho, dedicação, generosidade, sensibilidade e inteligência, tudo que Sandra possui", diz Zecarlos Machado, ator que contracenou com Sandra no teatro em peças como Major Bárbara e Contos de Sedução, ambas montagens do Tapa.   A atriz Bárbara Paz, que contracenou com Sandra também em Contos de Sedução, teve uma reação emocionada quando recebeu a notícia do Prêmio da reportagem do Estado. "Eu não acredito! Vou chorar (e chora). É maravilho e merecidíssimo. Depois de tudo o que aconteceu com ela. Ela nem pôde ir. Ela é uma grande atriz. Finalmente terá o reconhecimento que merece. Lembro de uma história que ela me contou: ela chorou quando vestiu pela primeira vez um figurino do Grupo Tapa feito pela Lola Tolentino, porque não tivera um vestido tão bonito. Sandra tem uma história de vida muito simples. Quase desistiu de fazer teatro muitas vezes, pela dificuldade de sobreviver, um problema que é de muitos atores de teatro. Eu disse para ela: você não vai poder ir, mas lá em Cannes todo mundo vai ficar perguntando: quem é essa atriz maravilhosa? E quando terminar o festival, você vai estar super conhecida. Eu disse isso e estou muito feliz", disse Bárbara.   Ao receber a notícia pela reportagem do Estado, Beatriz Segall, que contracenou com Sandra na peça O Fundo do Lago Escuro, no Tapa, enche a atriz de elogios. "Você está brincando! Que fantástico. Lembro-me muito bem dela! Ótima atriz, bati-me para que ela fizesse o papel. É uma pessoa alegre, competente, talentosa. Estou muito feliz com essa notícia". Segundo Tolentino, na época Sandra era ainda muita nova (atualmente a atriz tem 33 anos) e ele a colocou no elenco em caráter experimental, mas Beatriz fez questão de mantê-la.   Principais prêmios   O ator porto-riquenho Benicio Del Toro recebeu o prêmio de Melhor Ator por seu papel no filme Che, de Steven Soderbergh, por "decisão unânime do júri". O prêmio foi entregue pela atriz e comediante francesa Valerie Lemercier. No filme, Del Toro interpretou o mítico guerrilheiro e o ator brasileiro Rodrigo Santoro viveu o atual presidente cubano Raúl Castro.   O prêmio de Melhor Diretor desta edição do evento foi para o turco Nuri Bilge Ceylan, por seu longa Uç Maymun. Ceylan recebeu o prêmio das mãos da atriz norte-americana Faye Dunaway. A atriz francesa Catherine Deneuve e o diretor americano Clint Eastwood foram agraciados com o prêmio especial do evento.   Sandra em cena do filme Linha de Passe. Foto: Paula Prandini/Divulgação

Tudo o que sabemos sobre:
Festival de Cannespremiação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.