Sandra Bullock vive seu grande momento no Oscar 2014

Mesmo que não ganhe a estatueta, atriz já recuperou a confiança de investidores e a paixão do público

Ubiratan Brasil, Los Angeles - O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2014 | 23h00

O momento parece ser o de Sandra Bullock. Ao menos, em Hollywood. Independente de ganhar ou não amanhã o Oscar de melhor atriz por sua atuação em Gravidade, ela recuperou definitivamente o posto de grande celebridade. E também o de artista rentável – como a vida útil de Gravidade nas bilheterias deve ganhar novo fôlego com o ganho de prováveis estatuetas douradas na cerimônia de amanhã, Sandra deverá faturar algo como US$ 70 milhões quando todas as fontes de rendimento se esgotarem.

O que não parece ser algo próximo – o filme de Alfonso Cuarón já faturou cerca US$ 700 milhões com bilheterias em todo o mundo e espera-se uma arrecadação de mais US$ 50 milhões, sem contar o faturamento com a venda de DVDs e outras formas de comercialização. Como a atriz tem direito, por contrato, a 15% dos lucros, sua conta bancária receberá futuramente uma bela fortuna.

Mas não é apenas os empresários que estão satisfeitos com a atriz – o público voltou a admirá-la. Apesar de seu raro senso de humor e de sua beleza original, Sandra Bullock emendou uma série de fracassos que prometia levá-la ao limbo. Até a chegada de Um Sonho Impossível, filme de 2009 que convenceu os eleitores da Academia de Hollywood a lhe conferir o Oscar de melhor atuação feminina daquele ano.

Uma consagração que podia se transformar em maldição: afinal, é grande a lista de premiados que não conseguiram repetir o sucesso depois de ganhar a estatueta – alguém ainda se lembra de Mira Sorvino, Oscar de coadjuvante por sua memorável prostituta de Poderosa Afrodite, dirigido por Woody Allen no longínquo 1995?

Não para Bullock. Logo depois do Oscar, ela estrelou o drama Tão Forte e Tão Perto, que, embora não fosse um estouro na bilheteria, lustrou sua fama por ser um filme delicado e bem interpretado. E, quando parecia que a atriz tropeçaria ao participar de As Bem-Armadas e retomar a série de filmes insossos, veio Gravidade.

Bullock aparece em 73 dos 91 minutos de duração do longa. Sua voz e respiração, no entanto, ocupam 75 minutos, transformando sua atuação em algo quase que completamente etéreo – ela pouco se mexe durante boa parte da trama, transmitindo emoção e sentimentos por meio de parcos recursos, como o olhar, a modulação da voz, o respirar ofegante.

"Jamais havia passado por uma experiência como essa", disse ela, durante a apresentação dos candidatos ao Oscar, em janeiro. "Tive de abrir mão de quase todas as ferramentas que um ator tem à disposição para fazer seu trabalho. Isso me exigiu muito."

Se Sandra Bullock recuperou a condição de celebridade, Angelina Jolie parece jamais ter enfrentado esse problema. Na quinta-feira, durante o ensaio dos apresentadores da cerimônia, ela causou, atraindo uma pequena multidão. E, apesar de se vestir esportivamente, usava um par de sapatos finíssimo. "Aprendi a testá-los antes no lugar da cerimônia", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio Oscar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.