Salvador é sede da Jornada de Cinema da Bahia

Desde sexta-feira Salvador é sede da Jornada de Cinema da Bahia. O evento começou com a parte local, homenageando o cineasta Paulo Gil Soares, que morreu há pouco. De terça a domingo rola a jornada internacional, com o concurso de filmes e vídeos que disputam o troféu Tatu. É a 27.ª Jornada Internacional de Cinema da Bahia, levada, como sempre, por Guido Araújo. Foi ele quem idealizou o evento. O primeiro ocorreu em 1972, em plena ditadura, e desde então a jornada só foi interrompida duas vezes, durante a era Collor.Surgiu como um instrumento de resistência. "Começou modesta, baiana, nordestina e brasileira", diz Araújo. Virou internacional sem perder o perfil - exibe a produção ibero-americana ou filmes (se longos, exclusivamente documentários) de outras nacionalidades que tenham temática latino-americana. O Rap do Pequeno Príncipe contra as Almas Sebosas, de Paulo Caldas e Marcelo Luna, é uma das atrações nacionais. O documentário de 75 minutos já passou até no Festival de Veneza - com boa acolhida, acrescente-se.Araújo, de 66 anos, não perdeu nem um pouco o entusiasmo pela jornada, mas se queixa de que nunca foi tão difícil conseguir patrocínio. Se dependesse de patrocinadores, a jornada deste ano não saía. Dos R$ 680 mil orçados, ele levantou apenas R$ 50 mil. A tradição e a credibilidade do evento não são suficientes para conseguir parceiros. A Secretaria de Estado da Cultura da Bahia e o Cetead, da Universidade Federal da Bahia, é que dão um pouco de sustentação.Mesmo com poucos recursos, a jornada segue adiante. Quarta, presta homenagem a Zé Kéti, ator de Rio 40 Graus e autor das músicas do famoso longa de Nelson Pereira dos Santos. No sábado, dia 22, ocorre a homenagem a Othon Bastos, com a exibição de cinco filmes, entre eles, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, de Gláuber Rocha, e São Bernardo, de Leon Hirszman. Outra atração especial é Los Olvidados - o clássico de Luis Buñuel será exibido com o desfecho original, que o grande artista teve de mudar, no começo dos anos 50, para evitar problemas com a censura. Araújo conseguiu a cópia na Universidade Autônoma do México.

Agencia Estado,

18 de setembro de 2000 | 17h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.