Salma e Depp são as estrelas do dia em Veneza

Não chegam a ofuscar a disputa pelo Leão de Ouro, mas é certo que os filmes fora de competição e suas estrelas continuam no centro da atenção da imprensa presente ao Festival de Veneza, em particular dos paparazzi. Se ontem foi a vez de Woody Allen, hoje coube a Johnny Depp e Salma Hayek o papel de estrelas do dia. Eles promovem a pré-estréia do novo filme de Robert Rodriguez, Once Upon a Time in Mexico, referência a Era uma Vez na América e Era Uma Vez no Oeste, de Sergio Leone.Once Upon a Time in Mexico é a terceira parte da violenta trilogia que Rodriguez iniciou em 1992 com El Mariachi. Foi o filme que fez sua fama, em parte por conta do miserável orçamento de US$ 7 mil que ele diz ter gastado. Três anos depois, continuou a série com A Balada do Pistoleiro. Esta produção já contava com Salma no elenco, além de Antonio Banderas, que também está no último título da trilogia - e mais Willem Dafoe, Mickey Rourke e o cantor Enrique Iglesias.Banderas é o pistoleiro/violeiro que tenta vingar a morte da mulher (Salma) e acaba se chocando com um cartel de drogas e com a CIA (Depp). E dá-lhe tiroteios, explosões, perseguições de carro. Toda a violência - e há de sobra - não incomoda o diretor. Ele acha que o tom caricato e pop do filme o redime. E sublinha que não se trata de nenhum painel político sobre o México. Aliás: escolheu o país apenas porque "gostei do título". Reforça a mexicana Salma: "O México não precisa de mariachis, mas de políticos melhores".Johnny Depp faz o vilão do filme, um agente corrupto da CIA. Porém, "por mais que fizéssemos do personagem de Depp um sujeito mau - e nós tentamos - ele conseguia torná-lo carismático", tentou elogiar o diretor. Depp diz ter gostado tanto das filmagens que, ao final, insistiu com o diretor: "Tem certeza que não há nada mais a ser filmado?"Salma e Rodriguez aproveitam a viagem para promover também o infantil Spy Kids 3-D: Game Over, o terceiro filme de outra série do cineasta, a dos Pequenos Espiões, outra vez com Banderas. Eles passaram o filme para cerca de centenas crianças. Nos Estados Unidos, o filme já fez mais de US$ 100 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.