Salles vai a Cannes sem preocupação de vencer

O diretor Walter Salles já foi ao Festival de Cannes outras vezes, comojurado, mas nunca teve um filme seu exibido na mostra francesa, nem naprincipal, nem nas paralelas. Volta agora para disputar a Palma de Ouro comDiários de Motocicleta. De Nova York, onde conclui as filmagens deDark Water, o cineasta falou ao Estado, por telefone. Disseque vai ao festival despreocupado do compromisso de ganhar a Palma. Achaque Diários não tem o perfil daquilo que se chama de "filme defestival" e até foge do conceito de cinema de autor. "Este não é um filmede autor; é um filme de autores, de amigos que se uniram para contar essaextraordinária viagem de descoberta."O filme narra a viagem de iniciação de Ernesto Guevara de la Serna, antesde se tornar o mítico Che, ao lado do amigo Alberto Granado. Gael GarcíaBernal interpreta o Che jovem, e Salles destaca sua participação. "Nãoteria conseguido fazer Diários com essa liberdade se não fosse a entrega doGael. Ele foi extraordinário."Mesmo tendo o aval de Robert Redford, Diários de Motocicleta foi umfilme difícil de realizar. Salles conta que Redford foi sensível à suaprincipal reivindicação, a de fazer o filme em espanhol, com atoreslatino-americanos. Mas durante dois anos, só ouviram recusas dosinvestidores, até que a Film Four topou a produção.

Agencia Estado,

22 de abril de 2004 | 13h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.