Sai lista de filmes que vão disputar o Festival de Veneza

O Festival de Veneza, que acontece de 20 de agosto a 9 de setembro, dirigido por Marco Müller, divulga os 21 filmes de sua mostra competitiva pelo Leão de Ouro, o prêmio máximo do festival. O festival de cinema mais antigo do mundo criado em 1932, chega a sua 63.ª edição.O filme escolhido para abrir o festival foi The Black Dahlia, de Brian De Palma, com Josh Hartnett, Scarlett Johansson e Hilary Swank, adaptado do romance de James Ellroy, que trata do mundo do crime em Los Angeles nos anos 40. Entre as principais blockbusters da competição estão Hollywoodland, com Adrien Brody e Ben Affleck, que investiga a morte de George Reeves, astro do filme para a TV dos anos 50 Aventuras de Super-homem. E Bobby, com Sharon Stone, Anthony Hopkins e Demi Moore, um filme sobre o assassinato do político norte-americano Robert Kennedy; e The Queen, de Stephen Frears, com Helen Mirren, James Cromwell e Michael Sheen.Veneza homenageia o cineasta brasileiro Joaquim Pedro de AndradeO cineasta brasileiro Joaquim Pedro de Andrade será homenageado com uma retrospectiva completa de seus longas-metragens pelo 63.º Festival de Veneza. Considerado um dos pais do Cinema Novo, o cineasta apresentou em Veneza em 1969 Macunaíma, filme que o festival tem como "uma obra-prima, experimental e até hoje surpreendente". Seis longas-metragens do diretor serão exibidos na mostra, como o documentário Garrincha, Alegria do Povo de 1963.Um brasileiro na competiçãoO Céu de Suely, de Karim Ainouz, é o único representante brasileiro na competição do Festival de Veneza, que inicia dia 30 de agosto. Mesmo assim, disputa o troféu da mostra paralela Horizontes e não na principal, Veneza 63, que atribui o cobiçado Leão de Ouro. Na mesma mostra Horizontes há outro filme relacionado ao Brasil, O Cobrador, dirigido pelo mexicano Paul Leduc e adaptado do conto homônimo de Rubem Fonseca. Trata-se de uma co-produção entre Brasil e México. A mostra principal apresenta uma lista de competidores basicamente européia e norte-americana, como tem sido a tendência dos grandes festivais. Dos 21 concorrentes, nove não pertencem à Europa: quatro dos Estados Unidos, dois do Japão, dois chineses (um de Hong Kong, outro de Taiwan) e um da Tailândia. O mexicano Alfonso Cuarón está na mostra competitiva principal com Hijos del Hombre, uma co-produção entre Grã-Bretanha e Estados Unidos. Cuarón é o único latino-americano com possibilidade de levar para casa o Leão de Ouro. Os outros todos se distribuem pelas mostras paralelas. De resto, a mostra principal traz alguns grandes nomes, como o italiano Gianni Amelio (La Stella Ch´non C?è), o americano Brian de Palma (The Black Dhalia), o franceses Benoît Jacquot (L?Intouchable) e Alain Resnais (Medos Privados em Lugares Públicos), o casal Straub, Jean Marie Straub e Danielle Huillet (Quei loro Incontri), o chinês Tsai Ming Liang (Hei Yanquan). E mais o darling da crítica, o tailandês de nome impronunciável Apichatpong Weerasethakul (Sang Sattawat), que fulminou os entendidos de cinema com seu surpreendente Mal dos Trópicos. O que aprontará desta vez?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.