Sai em vídeo "Perfume de Mulher" original

Quando esteve no Brasil, na semana passada, Sophia Loren teve de responder a perguntas sobre o cinema italiano atual. "Antes era melhor", disse. E é verdade. Basta lembrar da grande fase de Luchino Visconti, Federico Fellini e Michelangelo Antonioni, ou então do tempo em que Dino Risi e Luigi Comencini excediam com suas comédias populares. Um exemplo dessa grande fase do cinema italiano está sendo resgatado pelo vídeo. Você não pode deixar de ver Perfume de Mulher. O filme de Dino Risi chega às locadoras no dia 11. É maravilhoso.Já foi lançado pela Central Vídeo, mas numa cópia precária, riscada. O vídeo que sai agora pela Paris foi feito do internegativo original, com qualidade técnica superior, embora imagem e sons perfeitos só mesmo quando sair em DVD. Você é capaz de dizer - já vi esse filme. Pode até ter visto, mas é mais provável que esteja pensando no remake produzido por Hollywood e que valeu a Al Pacino o Oscar de melhor ator. É um grande papel - e tanto que Vittorio Gassman, o grande ator italiano que morreu este ano, interpretando o original, foi melhor ator no Festival de Cannes e ainda ganhou o Globo de Ouro da crítica estrangeira, em Los Angeles.Grande Vittorio Gassman - interpretou o que, com esse filme, talvez seja a outra-prima de Risi, Aquele Que Sabe Viver (Il Sorpasso), do começo dos anos 60. Nos dois, Risi põe tragédia no humor, mistura comédia e tragédia com efeitos surpreendentes. É a história de um cego autoritário, um militar que tem um prazer todo especial em impor-se ao seu jovem e submisso ordenança (Alessandro Momo). Ambos percorrem um longo caminho, tanto no plano físico, do deslocamento geográfico, quanto no dos sentimentos.A história começa em Turim, torna-se grotesca em Gênova, engraçada em Roma e romântica em Nápoles. O homem orgulhoso que procura a morte para se compensar da perda da visão passa do donjuanismo cínico ao sentimento cheio de gratidão, expresso nos dois movimentos do filme. Por ser cego, o herói aguçou o sentido do olfato. Começa o filme referindo-se ao cheiro de fêmea, o "odore di femina", e termina descobrindo o "profumo di donna", perfume de mulher. Descobre o amor e rende-se a uma mulher tão especial que é interpretada por Agostina Belli, uma morena de olhos azuis que é uma deusa. No desfecho, mesmo cego, o personagem de Gassman ensina o de Momo a ver melhor o mundo.É um belíssimo filme, melhor do que a versão americana. Gassman também é melhor do que Pacino, embora esse último e o filme homônimo de Martin Brest também sejam bons. A grandeza vem da direção inspirada de Risi, dessa maneira de pôr densidade, humanidade, no humor. A narrativa evolui de forma a romper a coerência que parece destinar o personagem de Gassman à morte. Ele se aceita como inválido e carente de amor. Gassman foi um ator de grandes papéis, mas, se tivesse de ser lembrado por um, que fosse esse.Perfume de Mulher (Profumo di Donna) - Itália, 1974. Direção de Dino Risi. Grupo Paris. Colorido, 103 min. Dia 11.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.