Reuters
Reuters

SAG Award confirma Cate e ‘Trapaça’

Ela foi melhor atriz e o filme de David O.Russell ganhou como melhor elenco, o que pode ajudar na disputa do Oscar

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2014 | 22h45

Na sequência do prêmio da Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood – o Globo de Ouro –, a Screen Actors Guild também atribuiu seu troféu para os melhores do cinema em 2013. O SAG Award foi entregue no sábado à noite, em Hollywood. O sindicato dos atores confirmou o favoritismo de Cate Blanchett para o Oscar. Depois do Globo de Ouro, a Blanche DuBois de Woody Allen em Blue Jasmine somou mais um prêmio ao seu currículo. É o ano de Cate, que já foi indicada diversas vezes, mas nunca ganhou o Oscar de melhor atriz. O interessante é que ela vai ganhar seu prêmio num ano em que Sandra Bullock poderia vencer, e ninguém iria reclamar, pela astronauta de Gravidade, de Alfonso Cuarón.

Cate foi imperial. Elegantérrima – como no Globo de Ouro –, reclamou que teria apenas 29 segundos para fazer seu agradecimento, e isso depois que o melhor ator, Matthew McConaughey, falou durante horas. Em seu discurso ele foi até Netuno, brincou Cate. A plateia, e o próprio McConaughey, vieram abaixo, de tanto rir. Não faz muito templo e a crítica já desistira do marido da brasileira Camila Alves. McConaughey teria perdido toda ambição artística, adaptando-se ao seu papel de galã. Só que o bonitão, atendendo ao chamado de sua consciência, deu de ousar nos últimos anos. Com isso, e por isso, liberou qualidades e mostrou que pode ser – é – um grande ator.

Mais até do que Cate, 2013 foi seu ano. Muitos papéis, até um pequeno (na duração, mas poderoso) em Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese. E aí veio o garanhão aidético de Clube de Compras Dallas, de Jean-Marc Vallée, que estreia em fevereiro no Brasil. Soropositivo, o personagem descobre que precisa de medicamentos que não são vendidos nos EUA. Monta uma rede – trafica –para facilitar remédios a portadores da síndrome da imunodeficiência adquirida. Lidera uma revolução. McConaughey é grande, e o filme tem Jared Leto, que também confirmou o Globo de Ouro e ganhou o SAG Award de coadjuvante. Faz uma travesti. Tem uma cena arrasadora com o pai homofóbico. Só ela já vale o prêmio.

Lupita Nyong’o foi melhor coadjuvante, por 12 Anos de Escuridão, de Steve McQueen. O prêmio de melhor elenco é mais um a pavimentar a carreira de Trapaça, de David O. Russell para o Oscar. Os próximos indicadores – os prêmios das Guilds de roteiristas, diretores e produtores – vão ajudar a definir se 12 Anos confirma o favoritismo, ou se será atropelado pelo filme de O. Russell.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.