'Rush – No Limite da Emoção' conta a fantástica história de Niki Lauda

O conto de um duelo de velocidade é tema de filme do diretor Ron Howard

Pedro Caiado, Especial para O Estado de S. Paulo

09 de agosto de 2014 | 16h00

LONDRES - Rush – No Limite da Emoção recria uma competição que muitos fãs da Fórmula 1 conhecem, mas poucos do grande público ouviram falar. A fantástica história de superação do piloto austríaco Niki Lauda, que venceu todos os obstáculos para correr na F1 e se tornar três vezes campeão mundial, e sua rivalidade com o bon vivant James Hunt, chamou a atenção do diretor Ron Howard e do roteirista Peter Morgan.

“Foram os personagens que me atraíram. Eu não tinha nenhum grande conhecimento sobre F1”, contou Howard, em entrevista em Londres. Morgan, que trabalhou com Fernando Meirelles no filme 360, explicou como conheceu Lauda: “Eu morava em Indiana e minha mulher era amiga dele. Por causa disso, eu o encontrei. Fiquei interessado em fazer um filme, porém, pensei que não daria certo. Os estúdios não se interessariam. Não é um filme de super-heróis.”

O ano é 1976, temporada de maior sucesso de Lauda na Fórmula 1, e época que também marcou seu retorno, após o trágico acidente no GP da Alemanha que o deixou com queimaduras de terceiro grau na face. 

Chris Hemsworth (o Thor) vive o playboy James Hunt e Daniel Brühl, o calculista piloto Niki Lauda. Brühl é um ator espanhol de pai brasileiro, que cresceu na Alemanha, onde Lauda é estrela até hoje. “Niki é tão distante de mim que achei que não conseguiria, mas tive ajuda dele durante as filmagens. Eu sempre ligava pedindo conselhos”, disse o ator.

As cenas de corrida em Rush são incrivelmente realistas. “As batidas foram feitas em computação gráfica. Não poderíamos fazer aquilo de verdade. Os carros foram emprestados e valiam milhões; seria muito imprevisível e perigoso”, assegurou Howard. 

RUSH - NO LIMITE DA EMOÇÃO

Direção: Ron Howard

Gênero: Drama

Distribuição: Califórnia

Preço: R$ 42,90

Tudo o que sabemos sobre:
Cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.