Sebastien Nogier/ EFE
Sebastien Nogier/ EFE

Roubo e tumulto agitam terceiro dia de Cannes

Joias avaliadas em US$ 1 milhão são roubadas de hotel e homem dispara tiros de festim na Croisette

Luiz Carlos Merten - Enviado especial,

17 de maio de 2013 | 19h09

CANNES - Por esta ninguém esperava - o maior festival de cinema do mundo virou nesta sexta-feira, 17, caso de polícia quando ladrões invadiram o quarto de um funcionário da joalheria Chopard, no Novotel, roubando cerca de US$ 1 milhão em joias. Faz parte das tradições de Cannes - para tornar o tapete vermelho mais cintilante, a joalheria - parceira do evento - fornece joias exclusivas para uso das estrelas. Por volta das 5 h da manhã, o quarto foi invadido e o cofre violado. O roubo ocorreu no Novotel de Cannes. Situado no Boulevard Carnot, a mais ou menos 500 metros do Palais, cerca de 15 minutos de caminhada a pé. A polícia de Cannes entregou o caso à polícia judiciária, a Sureté nacional.

As joias seriam usadas pelas estrelas que desfilam no tapete vermelho. De acordo com as primeiras informações, o cofre não foi arrombado e foi levado inteiro pelos ladrões. A Palma de Ouro, que será entregue no dia 26 de maio ao cineasta vencedor e que também é fabricada pela Chopard, está em um lugar seguro, de acordo com os organizadores. A joalheria fabrica gratuitamente o troféu, de 118 gramas de ouro, avaliado em mais de 20 mil euros.

A direção do hotel, que fica em frente da delegacia da polícia municipal, recusou-se a fazer qualquer comentário. A joalheria Chopard também ainda não divulgou nenhum comunicado. Em fevereiro, uma quadrilha levou, em plena luz do dia, 150 relógios de uma loja de luxo situada na Croisette, também avaliados em um milhão de euros.

Durante a edição de 2012 do festival, desconhecidos também furtaram quatro relógios de luxo dos jogadores senegaleses Souleymane Diawara e Mamadou Niang, no valor de 400 mil euros.

A única reação do próprio festival foi garantir que a Palma de Ouro que será entregue no dia 26 está a salvo. É Chopard que produz o troféu, constituído de 118 gramas de ouro. Comparativamente com o prejuízo, o valor da Palma, por mais que represente do ponto de vista artístico, é pequeno - apenas 22 mil euros. Na conversão, as joias roubadas representam cerca de 750 mil euros.

Imediatamente, os jornalistas em Cannes começaram a tecer suas histórias - e a imaginar se serão os norte-americanos ou os próprios franceses a fazer um thriller sobre o grande roubo de joias na Croisette - embora, se trate de uma licença. Tecnicamente, o Boulevard Carnot não está na Croisette. É impossível não lembrar que, em 1955, Alfred Hitchcock fez aqui perto, em Mônaco, Ladrão de Casaca, com Cary Grant no papel de um ladrão de joias - e foi durante a rodagem que Grace Kelly conheceu o príncipe Rainier, tornando-se princesa de Mônaco.

Mais recentemente, em 2002, Brian De Palma, um aplicado discípulo de Hitchcock, fez outro thriller, mas em Femme Fatale as joias eram roubadas no próprio Palais. Até que ponto Brian De Palma forneceu a inspiração para os ladrões da realidade é uma questão em aberto. Cannes, de qualquer maneira, está em polvorosa. Milhões em joias circulam por aqui, todas as noites. Algumas fontes consultadas se impressionaram de que estas obras de valor tão alto estivessem em um hotel que não pertence ao circuito habitual dos famosos, e que também não estivessem guardadas em uma das lojas da joalheria suíça situada no hotel Martinez, um dos sete principais palacetes da Croisette.

Horas depois do roubo, Cannes voltou a se agitar por conta de um pequeno tumulto causado pelos disparos de dois tiros. O incidente ocorreu em um estúdio da TV francesa Canal +. Le Grand Journal, instalado em frente do badalado Hotel Martinez, na Croisette. Durante o ocorrido, os Daniel Auteuil e Christoph Waltz, que integram o júri do festival este ano, eram entrevistados pelo programa.

No momento dos tiros, a plateia entrou em pânico e saiu correndo, o que causou o breve tumulto. Em seguida, um suspeito foi detido pela polícia francesa, Segundo explicou uma fonte policial, o homem, de cerca de 30 anos, portava uma pistola de festim e uma granada falsa. O suspeito foi encaminhado à delegacia local para ser interrogado. Não houve feridos. Após o pânico, o programa ficou fora do ar por dez minutos e, em seguida, retornou normalmente ao ar. / COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.