Roteiro e elenco decepcionam em "60 Segundos"

60 Segundos, que chega aos cinemas do Brasil nesta sexta-feira, reúne três atores que já ganharam o Oscar. Nicolas Cage, pela atuação em Despedida em Las Vegas (1996), Robert Duvall, por A Força do Carinho (1983), e Angelina Jolie, por Garota Interrompida (2000). A princípio, a presença do trio no elenco já seria garantia de qualidade. Mas isso não acontece. Apesar de ser uma refilmagem do cult movie de H. B. Halicki, de 1974, a produção perde o folêgo no meio dos carros em alta velocidade. Dominic Sena, que assina a direção, acaba fazendo uma verdadeira apologia do crime.Nicolas Cage interpreta um ex-ladrão de carros que ganha a vida honestamente ensinando crianças a dirigir karts. Sua tranqülidade chega ao fim quando ele descobre que seu irmão Kip (Giovani Ribisi) também está envolvido no mundo crime. Para piorar a situação, o caçula foi jurado de morte pelo chefe bandido ao falhar em uma ação. Memphis (Cage) não possui outra alternativa senão voltar à antiga atividade. Para garantir a sobrevivência do irmão, ele precisa roubar 50 carros de luxo em pouquíssimo tempo.Para conseguir cumprir o determinado, Memphis convoca alguns dos membros de sua antiga equipe. Entre eles, Otto Halliwell (Robert Duvall) e Sara Wayland (Angelina Jolie), sua ex-namorada. O irmão Kip e seus amigos também se juntam ao grupo. Assim, todos unidos planejam um assalto de 50 carros de luxo em uma única noite. Mas, como se não bastasse o bandido que ameaça a vida do irmão, Memphis precisa enfrentar mais inimigos. O detetive Roland Castlebeek (Delroy Lindo), que o segue há anos, planeja finalmente capturá-lo. O espectador logo percebe que as dificuldades de Memphis só aumentarão a cada minuto.Se "ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão", imagine aquele que comete o crime para salvar a vida de um irmão? Pelo menos, essa é a idéia que o filme parece mostrar. O personagem de Cage aparece como um homem simpático que confessa nunca ter roubado por dinheiro mas somente por ser apaixonado por carros. Seu irmão segue seus passos como se a vida que Memphis levava fosse um exemplo a ser seguido. Logo se percebe que Cage é um bom ladrão, nos dois sentidos.Nos EUA, o filme é um dos maiores sucessos do verão americano. Aqui deve repetir o feito. Afinal, embora o roteiro tenha muitas bobagens, as cenas de ação empolgam a platéia. Em uma das cenas mais eletrizantes, Cage sobe em uma rampa improvisada para voar com sua máquina sobre uma dezena de carros. Literalmente, ele sai voando mas sai ileso da façanha. Apesar de parecer um absurdo, a cena não foi feita com a ajuda de efeitos de computador, mas sim com dublês.Dos três atores ganhadores do Oscar que participam do filme, Robert Duvall é quem se dá melhor. Nicolas Cage intepreta seu papel sem nenhum brilhantismo. Mas o grande fiasco do filme é a participação de Angelina Jolie. Ela mal aparece e, quando o faz, não tem a oportunidade de demonstrar seus dotes dramáticos. Sua presença apenas justifica a necessidade de se arranjar um par romântico para o "bom ladrão", dando mais humanidade ao personagem de Cage.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.