Roteiristas e produtores assentam bases para acordo nos EUA

Fim da greve garantiria a cerimônia do Oscar, a festa mais glamourosa de Hollywood, em seu formato habitual

EFE

08 Fevereiro 2004 | 01h09

Os roteiristas em greve e os grandes estúdios resolveram divergências e acordaram as linhas gerais do novo contrato dos escritores, o que pode acabar com a greve dos primeiros, que começou em 5 de novembro, indica a imprensa americana. Diferentes veículos de comunicação afirmam que as conversas estabelecidas nos últimos dias serviram para aparar as arestas em relação a quanto os roteiristas cobrarão pela distribuição de seus trabalhos na internet. Segundo o site do "Los Angeles Times", que cita fontes ligadas à negociação, um texto final do contrato seria apresentado ao Sindicato de Roteiristas dos Estados Unidos (WGA) na sexta-feira, o que poderia evitar a retomada das conversas formais entre as duas partes. A publicação especializada "Variety" indica que o negociador do WGA, John Bowman, Patrick Verrone e David Young se reuniram com o presidente do grupo News Corporation e o dirigente do grupo Walt Disney, Robert Iger, nos últimos dias. Segundo a "Variety", o resultado do encontro foi "bom no geral". Os avanços haviam sido realizados nos últimos encontros, embora a reunião de sexta-feira tenha sido decisiva, já que foi na ocasião que se acordaram os valores que os roteiristas receberiam pela exibição na internet dos filmes ou dos programas de televisão. Advogados de ambas as partes se reuniram durante o fim de semana para concordar a linguagem do acordo, que requereria a aprovação dos 10.500 membros do sindicato, mas a greve pode chegar ao fim antes da votação do texto, se esse receber um amplo apoio da junta diretiva.  As reuniões informais, nas quais se chegou ao consenso de que nada seria divulgado à imprensa, começaram em 22 de janeiro, depois que a Aliança de Produtores de Cinema e Televisão (AMPTP) assinou um tratado com o Sindicato de Diretores dos Estados Unidos. A última sessão formal entre a AMPTP e o WGA teria sido realizada em 7 de dezembro. Se as negociações em breve forem positivas, isso garantiria a realização da entrega do Oscar, a festa mais glamourosa de Hollywood, em seu formato habitual. A greve dos roteiristas obrigou à cerimônia de entrega dos Globos de Ouro a se restringir a uma singela entrevista coletiva devido à recusa dos atores em participar da festa.

Mais conteúdo sobre:
RoteiristasgreveOscar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.