REUTERS/Mario Anzuoni
REUTERS/Mario Anzuoni

Rose McGowan tem mandado de prisão expedido por polícia dos EUA

Segundo o Washington Post, a atriz, que denunciou Harvey Weinstein por estupro, teve mandado de prisão emitido pela polícia dos EUA por portar substâncias controladas em voo

Travis M. Andrews, Washington Post

31 Outubro 2017 | 16h56

A atriz norte-americana Rose McGowan, da série de TV Charmed teve um mandado de prisão expedido pela Polícia Aeroportuária de Washington por porte de substâncias controladas, afirma o The Washington Post. Uma das principais vozes contra o assédio sexual em Hollywood, McGowan diz que a divulgação do caso é uma tentativa de silenciar suas denúncias de abuso sexual contra o produtor Harvey Weinstein.

Hollywood critica pedido de desculpas de Kevin Spacey

Segundo o Post, a polícia encontrou vestígios de narcóticos nos pertences pessoais da atriz durante um voo no Aeroporto Washington Dulles, em Virginia, no dia 20 de janeiro. No dia 1º de fevereiro, as autoridades expediram um pedido de prisão contra McGowan. A atriz foi procurada para prestar depoimento sobre o caso e seu nome foi incluído na base de dados da segurança nacional.

Pelas redes sociais, McGowan comentou sobre o mandado. “Estão tentando me silenciar?”, escreveu no Twitter. “Tem um mandado pedindo minha prisão em Virginia. Isso é uma grande porcaria”. Além da denúncia por assédio, McGowan afirmou, em entrevista ao The New York Times, que recebeu uma proposta de uma proposta de Weinstein, que estaria disposto a pagar um milhão de dólares pelo silêncio da atriz. O produtor nega as acusações.

Voz contra abuso sexual. A atriz tornou-se uma das principais vozes contra o abuso sexual em Hollywood depois de uma reportagem do New York Times alegando que Weinstein, um dos produtores mais poderosos de Hollywood, usou sua posição para assediar as mulheres. McGowan era uma das mulheres mencionadas na reportagem.

Uma semana depois da publicação, ela tuitou ao CEO da Amazon e ao proprietário do Washington Post, Jeffrey Bezos, dizendo que ela foi estuprada por um homem cujas iniciais eram "HW". Mais tarde, confirmou ao Hollywood Reporter que o tweet se referia a Harvey Weinstein.

Por meio de seu advogado, ela disse ao New York Times que Weinstein ofereceu US$ 1 milhão em setembro para assinar um acordo de não divulgação. Em vez de aceitar o dinheiro, ela começou a criticar publicamente a cultura de agressão sexual enraizada em Hollywood. 

Em 12 de outubro, no mesmo dia em que ela publicou no twitter a acusação de abuso sexual contra Weinstein, sua conta na rede social foi temporariamente suspensa. Ela usou o Instagram, então, para comunicar a suspensão no Twitter. "O Twitter me suspendeu. Há forças poderosas no poder. Sejam minha voz", disse. O Twitter rapidamente desbloqueou a conta da atriz, e explicou que "sua conta estava temporariamente bloqueada porque um de seus tweets incluiu um número de telefone privado, o que viola nossos Termos de Serviço". 

Desde então, McGowan continuou a falar sobre abuso sexual em Hollywood. Na última sexta-feira,  ela discursou na Convenção da Mulher em Detroit, nos EUA, mostrando exemplos de como o assédio sexual está incorporado no cinema. "Os escritores em Hollywood usam estupro como um dispositivo de enredo. Eles não conseguem imaginar uma mulher se fortalecer de outra forma ", comentou a atriz.

 

Mais conteúdo sobre:
Rose Mcgowan Hollywood Harvey Weinstein

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.