Romeu e Julieta é o filme mais emocionante, diz pesquisa

Resultado foi feito com base em eletroencefalogramas dos espectadores.

Da BBC Brasil, BBC

08 Fevereiro 2014 | 11h15

Uma pesquisa realizada na Grã-Bretanha e divulgada nesta quarta-feira sugere que o filme Romeu e Julieta, dirigido por Baz Luhrmann, com Claire Danes e Leonardo di Caprio, é o romance que mais desperta emoções nos espectadores. A pesquisa realizou eletroencefalogramas- exames que registram a atividade cerebral - em mil espectadores enquanto assistiam a clipes de dez minutos de vários filmes do gênero romance. Segundo os resultados, a versão de Luhrmann para o romance de Shakespeare provocou as respostas neurológicas e fisiológicas mais intensas. Aproxidamente uma em cada cinco pessoas - o equivalente a 20% do total - apresentaram aumento na pressão arterial e no batimento cardíaco, suor e arrepios ao assistir ao filme. Em segundo lugar na pesquisa, realizada pela empresa Lovefilm.com, ficou o clássico Casablanca, com Humphrey Bogart e Ingrid Bergman. Os resultados mostram que o filme causou reações em 12% dos participantes, comparado com 10% do terceiro lugar, que ficou com o filme Ghost. A pesquisa aponta ainda que o batimento cardíaco das mulheres chegou a dobrar - de 65 para 130 batimentos por minuto- durante as cenas principais dos filmes. O dos homens, apesar de alterado, não passou dos 100. Espelho De acordo com o neurologista David Lewis, que conduziu os exames e fez a análise dos resultados, as reações acontecem porque as cenas românticas do filmes acionam a atividade dos chamados neurônios-espelho, que fariam as pessoas sentirem as mesmas emoções encenadas pelos personagens. "Ao espelhar dentro da mente os desdobramentos do que os espectadores estão vendo, os neurônios permitem que as pessoas sintam inconscientemente as mesmas emoções descritas na tela. Isso significa que os espectadores irão sentir as emoções como se estivessem acontecendo com eles", diz Lewis. Segundo o médico, isso explicaria as alterações registradas pelo eletroencefalograma. "É por causa destes neurônios que nos envolvemos emocionalmente com os filmes", conclui Lewis. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.