Beatrice Aguirre
Beatrice Aguirre

Rodrigo Santoro fala sobre sua atuação em 'Os 33'

Filme aborda o acidente com mineiros chilenos

Entrevista com

Rodrigo Santoro

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

04 Outubro 2015 | 06h00

Como milhares de pessoas em todo o mundo, o ator Rodrigo Santoro acompanhou angustiado o drama de 33 mineiros chilenos que, em 2010, ficaram soterrados em uma mina a 688 metros de profundidade, durante 69 dias, depois de uma explosão. A operação de resgate foi algo sem precedente na história da mineração e durou quase 23 horas. E, logo que todos foram salvos, descobriu-se uma história sensacional de preservação da sobrevivência, baseada no trabalho conjunto.

“Fui um espectador da tragédia”, conta Santoro ao Estado. Ele é um dos astros de Os 33, filme dirigido por Patricia Riggen, que estreia n

o dia 29, e que conta ainda com o espanhol Antonio Banderas, a francesa Juliette Binoche e o americano Gabriel Byrne. Inicialmente cotado para viver Florencio, o primeiro dos 33 mineiros resgatados, Santoro interpreta Laurence Golborne, o ministro das Minas e Energia. Uma troca favorável - seu personagem conduz a emoção do filme, pois foi Golborne quem insistiu na salvação dos trabalhadores no momento em que parecia que nenhum mais estava vivo - foram 17 dias sem contato até a equipe de resgate receber um bilhete, que dizia: “Estamos muy bien en el refúgio los 33”. Sobre seu trabalho, Santoro comentou:

O que te atraiu no projeto?

Fui um dos expectadores desse evento. Acompanhei a cobertura da mídia desde o início, quando estava nos Estados Unidos e depois já no Brasil. Quando percebi, estava absolutamente envolvido. O que me interessou foi saber que o roteiro seria construído a partir do depoimento dos mineiros. Isso me pareceu muito interessante porque já tinha um envolvimento pessoal com a história. O projeto, porém, não saiu de imediato até que, em 2013, foi feita a captação. Inicialmente, eu viveria um dos mineiros, mas o roteiro foi mudando. Sempre gostei da ideia de fazer parte do filme, mas estava querendo encontrar um personagem que me estimulasse. Até que me convidaram para viver o ministro, personagem que fazia contraponto com os demais, pois, enviado pelo governo, coordenou o resgate e deu assistência às famílias. Foi uma experiência sensacional.

O ministro torna-se o porta-voz dos mineiros.

Um dos detalhes que descobri quando fiz a pesquisa - e que tentei interpretar de forma sutil - foi a transformação interna de alguém inicialmente distante do drama, com a missão de resolver um problema que lhe exige praticidade, racionalidade, mas que, aos poucos, vai se envolvendo, até mudar sua relação com esse problema. 

Uma cena emblemática é a que mostra o ministro recebendo um sonoro tapa no rosto, dado por Maria, vivida por Juliette Binoche, que não se conforma de não receber notícias de seu irmão soterrado.

Não sei se você reparou, mas não foi um tapa coreografado.

É verdade. Seu rosto ficou em brasas.

Foi feito com todo o cuidado, mas sugeri a Juliette que fosse realista. Fiquei honrado de receber um tapa dela.

Gabriel Byrne vive o técnico encarregado de salvar os mineiros mas, em um dado instante, desiste pois acredita que estão todos mortos, ao contrário do ministro.

É um cara mais cartesiano, realista. Para ele, todos já estariam mortos. Já meu personagem representa o país. A partir do momento em que o governo assume a responsabilidade que era dos donos da mina, ele passa a lidar com vidas e seu envolvimento com o caso cresce à medida que vê o sofrimento de Maria. Percebe que é impossível não sentir a mesma dor.

O filme traz o retrato da condição humana, não? 

Sem dúvida. Mostra um exercício de superação. Por que mais de um bilhão de pessoas acompanharam a história pela TV? Acidentes acontecem a todo instante, mas aquele comoveu o planeta por mostrar temas universais, como a superação. Eram 33 homens que passaram 17 dias sem contato com o mundo, mas não desistiram. Mantiveram a fé e organizaram um trabalho coletivo para sobreviver. Isso ganha uma proporção absolutamente extraordinária, pois mexe com arquétipos, sensações e questões muito universais de fácil identificação e comoção.

Se fosse uma história de ficção, seria fácil apontar vários absurdos.

Exato. Mas está documentado. E ainda tem um número forte, 33, a idade de Cristo.

A mídia teve um papel importante ao forçar o governo a tomar uma atitude pró mineiros, não? 

Sim, foi muito importante. Primeiro porque foi um fato dramático e comoveu muitas pessoas e a imprensa serviu como interlocutor. E, à medida que o governo vai se envolvendo, a mídia torna-se questionadora: o que está sendo feito? E quanto tempo será preciso? Mas, para mim, o que realmente tirou aqueles caras debaixo da terra foram as famílias, que acamparam bem próximo da entrada da mina, jurando não sair dali pois quem estava soterrado era membro da sua família. Essa força foi fundamental.

Você conversou com o ministro Laurence Golborne?

Tivemos um encontro e eu estava interessado em conhecer um pouco da sua experiência, de como ele se sentiu diante daquela situação. Eu não quis interpretar a personalidade do ministro, mas o que ele passou.

 

A conversa foi útil, então?

Foi importante, porque me trouxe elementos para entender a história. Outro detalhe decisivo foi filmar no deserto do Atacama. Rodamos a poucos quilômetros da verdadeira mina e isso foi muito importante. No deserto do Atacama, está o silêncio mais eloquente que já escutei na minha vida, é indescritível. Ele te provoca um mergulho interno. E, como meu personagem vivia uma grande solidão, apesar de rodeado de muitas pessoas e de demandas. Ele tinha um conflito interno muito grande porque a responsabilidade era enorme.

E os mineiros, você conheceu algum?

Todos eles! Participamos de uma cerimônia oficial no Palácio da Moneda, onde conhecemos os 33. E Mario, que é o personagem vivido pelo Banderas, acompanhou as filmagens, esteve o tempo todo lá. Esse trabalho me tocou muito, como todas as pessoas que conheci. E, quando você interpreta uma história baseada em algo ainda muito vivo, é impossível não se sentir influenciado pela energia. Não foi só mais um trabalho - foi algo muito especial.

Mais conteúdo sobre:
cinema Rodrigo Santoro Os 33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.