Divulgação
Divulgação

O galã Rodrigo Santoro chega aos 40 anos com muitos filmes para estrear nos EUA

Astro de TV e do cinema, o ator está em 'Os 33', 'Ben-Hur', 'Westworld', que logo entram em cartaz; veja galeria e vídeos

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

22 de agosto de 2015 | 10h00

Meninos e meninas - vale voltar à antiga fórmula -, eu estava lá, eu vi. Brasília sempre teve a fama de ser o mais politizado dos festivais brasileiros de cinema. Em 2001, Rodrigo Santoro foi vaiado ao chegar para a exibição de Bicho de Sete Cabeças, o longa de Laís Bodanzky que concorria aos Candangos.

O público de jovens, incontáveis estudantes, vaiava, através dele, a Globo, da qual Rodrigo, com sua cara de galã, seria o garoto-propaganda. Duas horas depois, o Netto que lutava para não perder sua alma no sistema manicomial havia de tal forma arrebatado a plateia que Rodrigo recebeu a ovação apaixonada que só se reserva aos grandes. Um daqueles garotos, que antes o vaiara, o abraçou chorando e pedindo desculpas.

Rodrigo, na verdade, pode ter explodido como ator no Bicho, mas Paulo Autran, figura mítica, já percebera seu potencial e anunciara que aquele menino tinha talento, ao fazer com ele a minissérie Hilda Furacão. O resto é história.

Rodrigo passou a ser visto de outra forma. Mais que ele mudar, mudou o olhar do público sobre ele. Rodrigo, de astro de TV, virou astro de cinema. Seguiu filmando no Brasil, mas iniciou uma carreira internacional. Filmou em Hollywood, na Argentina, no Chile. Fez personagens gays, galãs, mineradores, heróis míticos da revolução cubana, o Cristo. Sim - o homem chamado Jesus, como você o verá, no ano que vem, no remake do clássico Ben-Hur, de William Wyler (e Lew Wallace, o general sulista que inventou a história), por Timur Bekmambetov.

Rodrigo Junqueira Reis Santoro nasceu em 22 de agosto de 1975, o que significa que, neste ano, e neste final de semana, estará ingressando nos 'enta'. Serão/são 40 anos. Petropolitano, do Estado do Rio, Rodrigo cursou jornalismo na PUC carioca.

Fez um teste para a minissérie Sex Appeal na Oficina de Atores da Globo e foi reprovado. Perseverou. Cavou um pequeno papel na novela Olho por Olho, depois, outro maior em Pátria Minha. Em 1995, aos 20 anos, algo se passou - e como o Serginho de Explode, Coração, o público global descobriu e se tomou de amores pelo jovem. Não parou mais. O Amor Está no Ar, o fradinho apaixonado pela prostituta de Hilda Furacão, que lhe valeu o elogio de Paulo Autran. E o Bicho.

Não parou mais de filmar. Abril Despedaçado, a Lady Di de Carandiru. Na Globo, ainda integrou o elenco de Mulheres Apaixonadas, sua última (até agora) novela. Licenciado pela emissora - mas ainda fez Hoje É Dia de Maria com Luiz Fernando Carvalho -, lançou-se na carreira internacional. Não teve direito a fala no pequeno papel em Charlie's Angels/As Panteras Detonando, mas Drew Barrymore e Cameron Diaz, entrevistadas pelo repórter, disseram em coro que ele era 'cute'.

O personagem em Lost não agradou e teve vida curta na série, mas as participações foram crescendo, ficando complexas. Simplesmente Amor, O Golpista do Ano, Che, 300. Pelo último, o elogio já foi bem maior, e do diretor Zach Snyder o repórter ouviu que Rodrigo é 'Great'. No Brasil, ele também não deixou de atuar - Os Desafinados, Heleno, Reis e Ratos, Meu País.

Já havia dublado O Pequeno Stuart Little, dublou Rio (1 e 2), a animação hollywoodiana do brasileiro Carlos Saldanha, que foi o êxito mundial que todo mundo sabe. Fez também animação no Brasil - Uma História de Amor e Fúria. Mais filmes, sempre mais filmes, muitos filmes. O Último Desafio, num papel de ação, ao lado de Arnold Schwarzenewgger, 300 - A Ascensão do Império, Hemingway e Gellhorn.

E, agora mesmo, Rodrigo está cheio de projetos de TV e cinema, alguns prontos e na fila para estrear. Os 33, sobre os mineiros chilenos que sobreviveram à explosão na mina, Westworld, Ben-Hur, Jane Got a Gun. Na vida íntima, Rodrigo, além de discreto, é dado a relacionamentos duradouros.

Três anos com Luana Piovani, cinco com Ellen Jabour. Desde 2013 está com a atriz, cantora, modelo e escritora Mel Fronckowiack. Os sites de fofocas dizem que os dois estão empenhados em engravidar. Entrando nos 40, é o papel que ainda falta para Rodrigo Santoro - ser pai. Ah, sim, mas ele já foi pai dedicado na ficção de O Que Esperar Quando Você Está Esperando.

 

Mais conteúdo sobre:
cinemaRodrigo Santoro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.