Robin Williams deixa de ser bonzinho

s espectadores de Locarno foram os primeiros europeus a verem a transformação do ator Robin Williams - símbolo de sujeito bom carácter, amigão e legal, desde ?Sociedade dos Poetas Mortos? ? num psicopata, um personagem sombrio e perigoso, em dois novos filmes. O primeiro é ?Insônia?, de Christohpher Nolan, contracenando com Al Pacino. ?Precisávamos de um ator com um grande carisma junto ao público, para depois mostrar reações inesperadas. Robin Williams tinha esse carisma excepcional para ser o adversário do policial Al Pacino, por sua forte presença. Assim, o ator encarnou o que antes nunca fizera?.O outro filme é ?One Hour Photo?, o segundo longa-metragem de Mark Romanek, conhecido pelos vídeos para Madonna, David Bowie Michael, Janet Jackson, e Nine Inch Nails. Nele, Robin vive o papel do solitário responsável do laboratório de ?fotos em uma hora?, dentro de um supermercado, que se identifica com a visão de felicidade da família do chefe de serviço, o casal e filho, impressa nas fotos, que copia e coleciona em segredo. Quando o laboratorista descobre a existência de uma amante na vida do chefe, decide interferir e reage de maneira doentia como um psicopata. Robin, que deve ter se cansado de ser simpático e bom, fica quase irreconhecível, no papel do obsessivo laboratorista, de rosto magro e óculos, na sua inesperada reconversão para papéis negativos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.