Roberto Benigni volta a falar de "Pinóquio"

O diretor e ator de A Vida é Bela Roberto Benigni ficou quatro meses enfurnado em um estúdio a cem quilômetros de Roma, em regime de segurança máxima, filmando a sua versão do clássico infantil Pinóquio. Desde então, não falou com a imprensa sobre o trabalho, um dos mais caros da história do cinema italiano (US$ 40 milhões). Agora, resolveu voltar a falar. Benigni recebeu os jornalitas vestido e maquiado como Pinóquio. "O filme será uma apoteose e uma catapulta de alegria", disse com seu habitual exagero. "Estamos vivendo um momento pouco agradável para a humanidade mas de alegria para o cinema".A cifra que envolve o filme está sendo consumida em cenários grandiosos, efeitos especiais de última geração, mil trajes diferentes, e quatro mil extras, além de um depósito de brinquedos gigantescos que serão utilizados em apenas uma seqüência. Os produtores responsáveis pelo sonho megalomaníaco de Benigni são Elda Ferri e Gianluigi Braschi, os mesmos de A Vida É Bela. A música é de Nicola Piovani e a direção de arte de Danilo Donati, que foi o cenógrafo de confiança de Pier Paolo Pasolini e Ferderico Fellini e a fotografia de Dante Spinotti. O roteiro é novamente de Vicenzo Cerami.A rodagem começou no dia 25 de junho, nos estúdios de Papigno (Terni) - uma velha fábrica de fertilizantes que serviu pela primeira vez de "galpão" cinematográfico em A Vida É Bela. Só terminará em meados de dezembro, mesmo a estréia estando programada pela Miramax, distribuídora que comprou os direitos da obra, para o Natal de 2002. "Pinóquio é o boneco mais famoso do mundo", afirma Benigni. "Suas aventuras formam o livro mais vendido no mundo depois da Bíblia e do Corão. É uma obra de alegria e despreocupação, uma cornucopia com todas as delícias deste mundo.O cenário escolhido para a recepção à imprensa é o mais ambicioso e grandioso do filme: o País dos Brinquedos, no qual se apinham cavalos de madeira, patos, galinhas, cines, tortas coloridas e bonecos gigantes. Donati criou outros cenários monumentais, aproveitando a dimensão do estúdio, um dos maiores da Europa. "Não há personagem mais belo, leve, atraente e seguro do que ele. Tem todas as contradições do mundo. É ao mesmo tempo Edipo, Fausto e Hamlet. Faz rir, chorar e causa desepero", defende o ator.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.