Robert Drew, o grande homenageado da edição

Numa conversa por telefone, de NovaYork, na sexta-feira, Robert Drew confessa que está entusiasmado com a visita ao Brasil, onde é o grande homenageado internacional do 10.º É Tudo Verdade, que começa hoje, em São Paulo, e na quinta-feira, no Rio. Até dia 10, o eixo São Paulo-Rio vira o grande pólo do documentário na América Latina. O norte-americano Robert Drew é o mestre do documentário, autor de filmes como Primárias e Faces de Novembro. Ele diz que nunca esteve no País, mas logo corrige - "Estive no começo dos anos 1940, a caminho da 2.ª Guerra, na Europa." Drew foi um dos recrutas norte-americanos que fizeramseu aprendizado de caserna na base que os EUA montaram em Natal - e cuja existência foi tema de um filme simpático de Luiz Carlos Lacerda, For All, o Trampolim da Vitória. O jovem Drew, que embarcava para a guerra, não imaginava que se tornaria umgrande documentarista, mas aquela experiência o marcou e está na origem de From Two Men and a War, seu novo filme, que ele trazpara mostrar aqui.Drew era repórter da revista Life quando, no começo dos anos 1950, foi cobrir em Chicago o processo que opunha o governo dos EUA à General Motors, a GM. A TV estava começando. Drew fazia parte e levou um choque, ao ver a imagem dos dois advogados do governo - um rapaz e uma moça - , entrandona Court House ao mesmo tempo que o batalhão de advogados da GM. Drew lamentou não dispor de uma câmera de TV para registrar a cena.Menos de dez anos mais tarde, Drew já era repórter e cinegrafista da rede NBC quando associou-se a engenheiros para criar a câmera portátil, com som acoplado, de fácil manuseio. "Foi aí que tive a idéia de fazer Primárias, sobre a disputa eleitoral de 1960." Ele conta que foi atraído pela personalidadedo senador John Kennedy, que tinha tudo contra ele - era jovem, católico e tinha um discurso progressista que não agradava aoscaciques do Partido Democrata. Conseguiu as autorizações de Kennedy e do também senador Hubert Humphrey, outro que pleiteavaa indicação dos democratas para concorrer à presidência, e fez o filme que deflagrou o ´cinema direto´."Nos EUA, muita gente não entendeu o que estávamos fazendo. Na Europa, menos ainda, mas jovens diretores como Jean-Luc Godard se interessaram pela nova tecnologia quehavíamos desenvolvido e o resultado foi a nouvelle-vague." Erauma fase de efervescência cultural e política. Três anos mais tarde, Kennedy, então presidente, foi morto em Dallas e Drew,sob o impacto daquele acontecimento tremendo, fez outro documentário que se tornou clássico - Faces em Novembro. Desde então, não parou mais. Aos 81 anos, continua jovem e entusiasmado. Acha que o documentário se popularizou, mas nãopensem que reza na cartilha de Michael Moore. Bate duro no diretor de Fahrenheit - 11 de Setembro. "É uma questãosemântica. O que ele faz não é documentário." Drew diz que Moore editorializa suasreportagens, transforma-as em shows e isso é o reverso do que ele acha que deva ser um documentário.

Agencia Estado,

29 de março de 2005 | 13h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.