Rob Schneider lança sua nova comédia no País

Não foi o tripé ?carnaval, samba e mulata? que convenceu Rob Schneider a encarar a longa viagem de Los Angeles até o Rio, onde promove a comédia O Gigolô Europeu por Acidente. Sua justificativa foi a mais politicamente correta possível - o que contrasta com o humor negro da produção, que não perdoa nem os deficientes físicos. O que realmente trouxe o humorista americano à cidade cartão-postal do Brasil, pela ordem de prioridade, foi ?a feijoada, a caipirinha, a picanha e o caloroso povo brasileiro?. Pelo menos foi o que o simpático ator disse ontem à noite no palco do cinema do New York City Center, na Barra da Tijuca, onde cerca de 300 pessoas compareceram à pré-estréia do longa que a Columbia Pictures lança nos cinemas no dia 14.Tão irreverente quanto essa continuação de Gigolô por Acidente (1999), Schneider disse que o espectador não precisa recorrer a drogas ilícitas para achar graça. ?Mas ajuda?, brincou, arrancando risadas da platéia. A piada do comediante, projetado no célebre Saturday Night Live, vem de encontro com o roteiro dessa segunda aventura do trapalhão Deuce Bigalow, rodada em Amsterdã, na Holanda, onde o consumo de maconha é legalizado. Como o protagonista cruza o Atlântico para visitar o seu ex-cafetão, T.J. Hicks (Eddie Griffin), ele inevitavelmente experimenta as especialidades locais - além de atender uma clientela de aberrações e tentar desvendar o autor de uma série de assassinatos de gigolôs. "Matar prostitutos é assunto sério", ironizou.Esta é segunda vez que Schneider veio ao Brasil a trabalho. Ele visitou o país em 2000, quando divulgou o primeiro título da franquia, Gigolô por Acidente - que arrecadou mais de US$ 93 milhões mundialmente. Desde que chegou, no último dia 29, o comediante não parou. Compareceu à tradicional feijoada de confraternização do Festival do Rio, que se estende até quinta-feira, visitou o bairro da Lapa e marcou presença nas festas concorridas do evento carioca, realizadas na tenda gigante montada em frente ao Copacabana Palace. Sempre muito simpático e sorridente, arriscou passos de samba e até dançou algumas baladas de Sidney Magal, que animou ontem a festa de lançamento do filme, após a pré-estréia. Mesmo sem entender uma palavra, o gringo não resistiu aos hits O meu Sangue Ferve por Você e Sandra Rosa Madalena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.