Rio financia roteiros de 30 longas-metragens

Trinta roteiros de longa-metragem deficção serão financiados pela Secretaria Estadual do Cultura do Rio de Janeiro. É o pontapé inicial do Procine, que destina R$ 12 milhões ao cinema, da produção à exibição, incluindo aabertura de salas. Cada projeto receberá R$ 20 mil paradesenvolver o roteiro final em três meses. Até o fim do ano,serão abertos concursos para produção, comercialização eabertura de salas, que terão verba de R$ 10,5 milhões do Fundode Desenvolvimento Econômicos e Social do Estado (Fundes).Os nomes dos escolhidos foram divulgados nesta semanapela secretária, Helena Severo, e pelo subsecretário deAudiovisual, José Carlos Avellar. Há estreantes (em produção edireção) como os atores Matheus Nachtergaele e Paulo Betti;documentaristas que se iniciam em ficção, como Isabel Diegues eDavi França Mendes; e veteranos como Jorge Duran, Júlio Bressane, Ana Carolina e Walter Lima Júnior. "Não levamos em contacurrículos e sim a qualidade intrínseca dos roteiros", explicaAvellar. "A única exigência foi um plano de desenvolvimento daidéia e uma carta de intenção de produtora carioca."Os R$ 20 mil saem do orçamento da secretaria em duasetapas, uma agora e outra na entrega do texto final. "Osfinanciadores de cinema exigem roteiro pronto, mas há poucoincentivo para essa fase. Há um consenso mundial de que, semroteiro, não se faz um bom filme", ressalta Avellar. "Aintervenção do Estado no cinema é fundamental e só se dá atravésda alocação de verbas", completa Helena.O concurso para produção de longas será lançado em ummês e escolherá 10 projetos de ficção e 10 documentários, quereceberão empréstimo subsidiado de até R$ 500 mil ou R$ 250 mil."Os filmes não precisam estar inscritos na Lei do Audiovisual" avisa o subsecretário. "Como não nos prendemos ao mercado,corremos risco de escolher projetos sem cunho comercial, só pelaoriginalidade ou diversidade de temas e estilos."Essa diversidade - e a qualidade - foi a tônica dos 123roteiros inscritos. Avellar conta que pelo menos metade estavaapta a receber o financiamento. "Se há traço comum entre eles éa predominância de temas históricos, mas as abordagens diferemmuito. O Cantor Multidões, de Zózimo Bubul, sobre OrlandoSilva, e Cafundó, de Clóvis Bueno e Paulo Betti, sobre olíder negro João Camargo, só têm em comum o fato de versaremsobre um personagem que existiu", comenta Avellar. Bettitrabalha no projeto há cinco anos e afirma que estar no Procineé um prêmio. "Não paga os custos do roteiro, mas dá prestígioao projeto e facilita contatos com financiadores", comemoraele.Para Helena Severo, outra etapa fundamental é a aberturade salas de exibição. O Rio não é deficiente em cinemas, mas hácidades onde eles não existem. "Dos 92 municípios do Estado,apenas cinco têm salas", enumerou ela. Campos, por exemplo, commais de 400 mil habitantes, não tem nenhum. Tampouco São Gonçalo a segunda cidade mais populosa, com quase 900 mil habitantes."Sem sala de cinema, não adianta incentivar a produção."Roteiros selecionados - Os roteiros selecionados estãoem fases diversas de confeção, da sinopse ao primeirotratamento. Os projetos são os seguintes:Orquestra dos Meninos,de Alcione AraújoA Festa da Menina Morta, de MatheusMachtergaeleTrês É Demais, de Jorge DuránMarina, deIsabel DieguesAntônia, de Tata AmaralBolsa deValores, de Rodrigo GéronCafundó, de Clóvis Bueno ePaulo BettiFilme de Amor, de Júlio BressaneA PrimeiraMissa, de Ana CarolinaUma Jogada de Milhões, de Júlia deAbreu e Betse de PaulaSilvino, uma Coisa é Ver outra éContar, de Geraldo SarnoAmazônia Misteriosa, de IvanCardosoCafuné, de Bruno VianaAlgo de Novo, de RosaneSvarstmanFlores Raras e Banalíssimas, de Carmem LúciaOliveiraJanelas Abertas, de Paulo Halm e Sandra WerneckHarmada, de Maurice CapovillaO Amor Voltará, deEduardo Escorel e Suzana SchildOs Desafinados, de WalterLima Jr.Camisa Listada, de Cláudio McDowellO Cantordas Multidões, de Zózimo BubulInsensatez, de RicardoBravoO Outro Lado da Rua, de Marcos BersteinAtéQuando, de Zelito VianaAlma, de Antônio Carlos FontouraA Turma, de Ricardo FavillaLegítima Defesa, de MelanieDiamantas e Lui FariasA Telepata, de Elena SoarezA História de Dé, de Paulo LinsO Caminho das Nuvens, deDavid França Mendes

Agencia Estado,

25 de outubro de 2001 | 16h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.