Rio e Havana fundem-se na comédia "Viva Sapato!"

Desde que Cameron Diaz irrompeu nas telascomo a pin-up de O Máskara não se via nada igual. O problemade Laura Ramos é não ter a seu dispor a máquina de Hollywood.Aos 23 anos e com um corpo de fazer inveja ao da linda Cameron,a morena e caliente Laura está no Rio filmando Viva Sapato!,o novo filme de Luiz Carlos Lacerda, o Bigode. Um filme sobre assemelhanças entre Cuba e Brasil. Essas semelhanças são tãograndes que o diretor está filmando no Rio como se fosse emHavana. Isso faz com que, além da bela Laura e do espanhol JorgeSanz, que faz seu galã, as outras estrelas da produção talvezsejam o diretor de arte Alexandre Meyer e o produtor de locaçõesJohnny Cabroli. São os responsáveis pela transformação do Rio em"La Habana".Laura, que é cubana, também atua como consultora daprodução. "Mas eu quase não preciso opinar, porque o Bigodemorou em Havana e sabe o que fazer para tornar as locaçõesconvincentes." Olhando aquele monumento da natureza, você écapaz de não acreditar, mas Laura acha que, às vezes, a belezaatrapalha. Como?, quer saber o repórter . "Nenhuma atriz sesustenta só pela beleza, é preciso talento; se você for sóbonita não vai durar muito nessa profissão; há sempre novasmulheres bonitas surgindo", diz. Atriz desde os 18 anos, Lauraestava em Gramado, no ano passado, acompanhando a delegação dofilme cubano Las Profecias de Amanda, de Pastor Vega - noqual faz um pequeno papel -, quando conheceu Bigode. Ele aseduziu com a idéia desse papel de cubana airosa. No Rio, tambémno ano passado, o diretor conseguiu cooptar o espanhol JorgeSanz para o principal papel masculino. É o jovem ator deSedução, o filme de Fernando Trueba que ganhou o Oscar.Laura é alta, as pernas são as pilastras mais bemtorneadas que você pode imaginar. Sanz é baixinho, pelo menosuns 15 centímetros menos do que ela. Como fazem para resolver adiferença de altura na tela? "Se fosse na horizontal nãohaveria problema", ela diz, com malícia, e o sorriso travessorevela que a supermulher no fundo ainda é uma garota: os 23 anosestão todos aí, nesse sorriso de dentes perfeitos.Viva Sapato!, o filme que trouxe Laura Ramos ao Brasil,é uma produção da Total, a empresa que se prepara para lançar(em 18 de janeiro) a comédia Avassaladoras, de Mara Mourão,com Reynaldo Gianechinni e a deusa Giovana Antonelli. A Totaltambém co-produziu o novo filme de Walter Lima Jr. (Meu FilhoTeu) e é a parceira brasileira no filme que Charlton Hestonveio fazer no Brasil, Rua Alguém 5555, no papel do carrasconazista Josef Mengele. Tudo isso e mais Viva Sapato! põem oholofote sobre a empresa de Iafa Britz, Walkíria Barbosa e VilmaLustosa.Elas explicam que optaram por filmar no Brasil por causado dólar muito caro. O orçamento inicial era de US$ 2 milhões. ATotal deveria entrar com 80% e sua parceira internacional, aempresa espanhola Eurofiction, com os 20% restantes. O orçamentofoi ajustado às dificuldades de captação do momento. A Totalreduziu sua parte para R$ 1,5 milhão. Captou o dinheiro por meioda Lei do Audiovisual e das Leis Rouanet e Mendonça. BRDistribuidora, Eletrobrás, BNDS e Fox são os investidores (aúltima tem a opção de distribuição). O filme é o primeiro dodiretor desde For All - O Trampolim da Vitória, em 1997.Bigode sempre gostou da história que ouviu muitas vezesem Cuba, sobre dinheiro que é escondido num sapato, para entrarou sair clandestinamente da ilha de Fidel Castro. Nas anedotascubanas, a pessoa que espera o dinheiro recebe o sapato e,irritada, vende ou joga fora. Na versão de Bigode, Laura Ramospede dinheiro a uma tia que é macumbeira no Brasil. Ela manda nosapato, Laura vende o tal sapato a troco de banana e, aodescobrir a verdade, corre feito louca atrás da fortuna perdida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.