Ridley Scott filma continuação de Silêncio dos Inocentes

Na semana passada, Ridley Scott começou a filmar em Florença, o segundo ato do filme Hannibal, a continuação de O Silêncio dos Inocentes. Anthony Hopkins reprisa o papel do Dr. Hannibal Lecter que lhe garantiu um Oscar. Jodie Foster, a agente Clarice Starling do filme de Jonathan Demme, porém, não retorna. A atriz recusou o papel por não ter gostado do excesso de violência do novo livro de Thomas Harris (mesma razão do abandono de Demme). Para substitui-la, Scott fechou com Julianne Moore que, em breve, começará a filmar suas cenas em Washington (onde se passa a ação da primeira parte do livro) e Richmond (o final). Além de Hopkins e Julianne, o elenco de Hannibal inclui Gary Oldman no papel do milionário Mason Verger, que teve seu rosto desfigurado pelo médico e agora dedica seus dias a tentar encontrar seu agressor; Ray Liotta, como um agente do FBI que tenta passar a perna em Clarice; além dos atores italianos Giancarlo Giannini e Francesca Neri, no papel de autoridades italianas também no encalço do canibal. Em depoimento exclusivo ao Estadão.com.br, por telefone, Scott comenta seu tão aguardado novo filme:"Tudo tem a ver com o livro de Thomas Harris. Jonathan Demme achou a história um pouco violenta demais. Ele não gostou do encaminhamento final. Eu vi o livro com um tomo muito colorido sobre uma relação platônica e a fé incondicional que Hannibal nutre por Clarice, agora que ele está longe daquela prisão com grade de vidro. Também gostei do subtexto dela ser ?fritada? pelo FBI, instituição para a qual dedicara sua vida até então. O filme acompanha Clarice dez anos mais tarde, quando ela chegou numa encruzilhada profissional. Sempre quis trabalhar com Jodie. Em uma ocasião quase fizemos um filme juntos daquele livro Zona Quente, sobre o vírus Ebola, escrito por Richard Preston. Mas quando soube que ela não aprovava muito o fim de Hannibal, já sabia que existia uma grande possibilidade da resposta dela ser não. Não me importo muito com a recusa dela, não. No final é o material que importa. Se um outro diretor tivesse feito Gladiador, nós teríamos um filme totalmente diferente. Mas, para ser honesto, acho que Jodie conseguiu financiamento para esse filme Flora Plum, que ela vai fazer com o Russell Crowe, e não queria se envolver com outro projeto, enquanto preparava-se para dirigir o seu próprio. Eu achei que era hora de seguirmos em frente e comecei a pensar com muito cuidado sobre quem poderia interpretar Clarice Starling. Sobre a escolha de Julianne Moore, eu acho que existe uma categoria de ótimas atrizes na idade da personagem. Refleti muito sobre todas e fiz meu lance. Hilary Swank, por toda essa espetacular performance em Meninos Não Choram, parecia ser a escolha ideal, assim como Julianne, vindo por fora. E por que Julianne em vez de Hillary, Cate Blanchett e Angelina Jolie? O nível de interpretação dela é impressionante. E Julianne é muito intuitiva. Ela mostrou tantas faces de seu trabalho nos últimos dois anos. Quanto ao final polêmico, eu primeiro conversei com o escritor, Thomas Harris. Disse a ele que teria de dar um outro rumo ao bebê dele. E ele cooperou muito com a gente. Thomas passou nove anos escrevendo o livro, então ele tem muito conhecimento sobre o tema. Ele veio e ajudou a gente a trabalhar sobre a adaptação que começou a ser feita por David Mamet. Tony Hopkins está feliz com o progresso da produção. Eu também. Agora é aguardar até fevereiro de 2001".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.