Ribeirão Preto ganha centro de cinema e vídeo

Um novo centro de produção cinematográfica, como o de Porto Alegre e de Fortaleza, está surgindo em Ribeirão Preto. Esse é o objetivo do Núcleo de Cinema e Vídeo, que tem apoio institucional da prefeitura e resgata antiga idéia do produtor Edgard de Castro. O diretor André Ristum, assistente de direção de Bernardo Bertolucci em Beleza Roubada, é um dos coordenadores do órgão. O protocolo de intenções do projeto foi assinado no sábado, durante o Fórum Cultural, no Theatro Pedro II. A partir de setembro, dois curtas-metragens devem ser rodados mensalmente na cidade, com tecnologia digital, para baixar os custos.Produção de curtas, vídeos e documentários é a primeira meta do núcleo, que, até o fim do ano, deve rodar o primeiro longa - O Canto do Cisne, de Ristum. Os profissionais da área (fotógrafos, técnicos, atores de circo e teatro, escritores entre outros) serão da própria cidade. Além de integrá-los, o órgão vai propor às universidades locais a criação de cursos regulares de cinema e fomentar discussões com escolas profissionalizantes (Sebrae, Senac, Sesi e Sesc) para formar atores e técnicos e capacitá-los na atuação cinematográfica."Queremos formar novos profissionais", diz Ristum, de 29 anos, diretor do curta, Pobres por um Dia, rodado em 1997 em Ribeirão Preto. Para isso, será criado o projeto Filme Escola. Assim, os alunos poderiam estagiar na área de vídeos e de curtas com orientação e acompanhamento especializados. "É na prática que se aprende cinema", explica Ristum, que fez curso de direção, de três meses, em Nova York, para adquirir conhecimentos técnicos (como fotografia), pois o restante aprendeu nos sets de filmagem.O núcleo também estreitará relações com as emissoras regionais de televisão e produtoras, que podem resultar em co-produções. Essa é outra possibilidade de integração e barateamento dos custos. "Existem excelentes equipamentos e profissionais aqui", diz o cineasta, que, há dois anos e meio trabalha com produção e direção na área de Marketing da TV Cultura, em São Paulo. As emissoras de TV teriam, neste caso, a prioridade na exibição dos filmes produzidos em parceria.Outra meta indispensável para o Núcleo de Cinema e Vídeo com sede provisória nas dependências do Museu da Imagem e do Som (MIS), é criar espaços para exibição dos filmes. "A cidade tem matéria-prima e público consumidor, por isso vamos desenvolver projetos populares para levar o cinema às escolas e praças e também conversar com os exibidores dos cinemas locais" diz o secretário de Cultura de Ribeirão Preto, Galeno Amorim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.