"Revelação" sai em vídeo e DVD da Fox

Agora que Tom Hanks perdeu o Oscar - seria excessivo, nos limites do absurdo, se ele emplacasse seu terceiro prêmio da Academia de Hollywood por Náufrago -, pode-se avaliar mais serenamente o penúltimo filme do diretor Robert Zemeckis, que está sendo lançado em vídeo e DVD da Fox. Revelação é um thriller sobrenatural estrelado por Harrison Ford e Michelle Pfeiffer. Dois preferidos do público de todo o mundo. Some-se a isso o investimento maciço em publicidade - há outdoors por toda a cidade anunciando o lançamento -, e não surpreende ver o filme, já na sua primeira semana nas locadoras, disparar na lista dos preferidos elaborada pelo InformEstado. O público está adorando, mas será que está mesmo?Pois Revelação é o segundo pior filme saído das usinas de Hollywood nos últimos tempos - depois do imbatível Hannibal, que derrubou a candidatura de Ridley Scott ao Oscar de melhor diretor. Claro, vai um certo exagero na afirmação. Hollywood tem produzido coisas tão ruins quanto (piores, não - é impossível), mas o que torna esses filmes emblemáticos é a ambição da produção e o prestígio dos nomes envolvidos. Scott, além dos cults Alien, o Oitavo Passageiro e Blade Runner, o Caçador de Andróideso diretor do vitorioso no Oscar deste ano, Gladiador, que não é, nem de longe, o filme desprezível que seus detratores tentam vender.Como se não bastasse o fato de ressuscitar um gênero considerado morto - o épico da antiguidade clássica, o chamado peplum -, Gladiador é muito interessante pelo que Scott quis fazer e fez. Ele usa os personagens de Russell Crowe e Joaquim Phoenix, o general-que-vira-escravo-que-vira-Gladiador e o imperador, para discutir o conceito hollywoodiano do espetáculo, sendo a arena uma metáfora da tela. Tente ver o filme por esse prisma e você perceberá que até algumas das alegadas falhas de Gladiador fazem sentido. Zemeckis é outro caso interessante. Sempre atraído pela técnica, fez a bela série Volta para o Futurocriativo Cilada para Roger Rabbitma obra mais ambiciosa, do ponto de vista autoral, mas não como melhor, como Forrest Gump - O Contador de Histórias, que lhe valeu o Oscar. A partir daí perdeu o rumo. Contato não está à altura da sua ambição, mas é dez perto de Revelação. O próprio comercial que Zemeckis fez para a Fed-Ex - Náufrago -, que não é grande coisa, consegue ser muito melhor que Revelação.A história é a seguinte - Michelle, que se chama Claire no filme, desconfia que a nova casa, na qual vai morar, é assombrada pelo espírito de uma moça. O marido, Norman (Harrison Ford), é cientista e, como tal, perfeitamente racional, acha que é tudo uma imensa bobagem. Depois de um monte de reviravoltas psdeudo-assustadoras - que incluem a transformação do imaculado Ford em vilão, pela primeira vez em sua carreira -, o diretor não se vexa de recorrer a um espírito para resolver o imbróglio. Tudo bem, a cena da banheira pode mesmo provocar certo frisson, mas o filme é uma vergonha da qual Zemeckis não consegue se recuperar com Náufrago. Em sua incursão pelo suspense deveria prestar mais atenção às lições do mestre Alfred Hitchcock. Talvez assim Revelação fosse melhor. Revelação (What Lies Beaneath) - EUA, 2000. Direção de R. Zemeckis, com Harrison Ford e Michelle Pfeiffer. Fox, vídeo e DVD, R$ 40

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.