Réplicas obscenas do Oscar incomodam Academia

Os advogados da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood apresentaram uma queixa por infração de marca registrada contra uma empresa que oferece através da Internet réplicas "anatomicamente incorretas" das estatuetas do Oscar. Trata-se da empresa Pipedream Products Incorporated de Los Angeles, que vende estatuetas falsas do Oscar, dotadas de genitais masculinos. O Oscar verdadeiro tem 33 centímetros de altura, pesa 2,8 quilos e carece de órgãos sexuais, segundo os documentos apresentados no tribunal federal. A queixa diz que Pepedream "importa ou fabrica e vende grande número de objetos obscenos e utilizam sem autorização os direitos reservados da Academia sobre o Oscar e sua marca registrada".A Academia pediu uma ordem judicial que impessa a empresa de vender mais estatuetas. "Ninguém que possui uma marca registrada deseja que haja uma versão obscena dela em circulação", disse o diretor-executivo da Academia, Bruce Davis.Funcionários da Academia disseram ainda que uma empresa francesa de telecomunicações pagará cerca de US$ 41 mil como resultado de uma queixa similar por haver utilizado símbolos do Oscar em cartões telefônicos pré-pagos.Os funcionários disseram que a France Telecon infringiu os direitos da academia em utilizar a imagem da estatueta e a palavra Oscar como desenho de um milhão de seus cartões pré-pagos.Não foi possível falar com representantes da France Telecom sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.